Brasil

Brumadinho. Número de mortos sobe para 60 depois de buscas serem retomadas

155

Há 60 mortos confirmados e 19 nomes já foram divulgados. Ao segundo dia de buscas, foi encontrado um outro autocarro. Número de vítimas pode continuar a aumentar.

Os números oficiais dão conta que a rutura da barragem de sexta-feira já provocou 60 mortos

Antonio Lacerda/EPA

As buscas por sobreviventes da rutura da barragem de Brumadinho, no estado brasileiro de Minas Gerais, foram retomadas depois de a Proteção e Defesa Civil do Brasil ter concluído que não existe risco de rutura numa outra barragem no mesmo estado, de acordo com informações avançadas pelo G1, o portal de notícias da Globo.

Um autocarro foi encontrado ao longo da tarde deste domingo, com várias corpos — não se sabe, para já, quantos — o que fez com que as buscas continuassem além das 20h00 locais, hora a que estava inicialmente previsto o seu término. Os números oficiais dão conta que a rutura de sexta-feira já provocou 60 mortos aos quais se juntam 292 desaparecidos. Já no sábado tinha sido encontrado soterrado um autocarro com funcionários da empresa Vale — aqui estava pelo menos 10 vítimas mortais.

A Polícia Civil de Minas Gerais já divulgou 19 nomes de vítimas mortais já identificadas. Foram entretanto localizadas 382 pessoas e 192 foram resgatadas com vida.

Várias localidades na zona de Brumadinho chegaram ser evacuadas este domingo devido ao risco de rutura dessa outra barragem — que, tal como o complexo que colapsou, também é propriedade da empresa Vale –, mas a operação de retirada dos moradores foi suspensa, de acordo com o tenente-coronel Flávio Godinho, citado pelo G1.

De acordo com o Estadão acesso ao centro de Brumadinho, assim como a ponte onde passa o Rio Paraopeba, foram encerrados. Os relatos são de que a cidade ficou paralisada: as pessoas juntaram-se nas praças depois da nova ameaça.

A barragem estava a ser drenada desde a noite de sábado, mas o risco de rutura continuou a ser elevado. Desta vez, ao contrário do que aconteceu há dois dias, o alarme tocou nestas localidades às 5h30 (7h30 em Portugal) numa zona que tem cerca de 250 casas.

Um grupo de 130 militares israelitas são esperados em Minas Gerais às 21h30 deste domingo para ajudarem as autoridades brasileiras nas buscas em Brumadinho. A equipa é especializada em resgates neste tipo de catástrofes e recorre a sonares para as buscas.

Estes são os 19 nomes revelados, entre as 60 vítimas mortais:

Francis Marques da Silva
David Marlon Gomes Santana
Marcelle Porto Cangussu
Jonatas Lima Nascimento
Carlos Roberto Deusdedit
Robson Maximo Gonçalves
Leonardo Alves Diniz
Fabricio Henriques da Silva
Willian Jorge Felizardo Alves
Daniel Muniz Veloso
Flaviano Fialho
Eliandro Batista de Passos
Moises Moreira de Sales
Djener Paulo Las-Casas Melo
Wellington Campos Rodrigues
Mauricio Lauro de Lemos
Adriano Caldeira do Amaral
Marcelo Alves de Oliveira
Renato Rodrigues Maia

[Novo rio de lama deixa rasto de tragédia no Brasil. Veja o vídeo:]

Atualizado às 14h30

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)