Leiria

Macas retidas no hospital de Leiria deixam dezenas de ambulâncias inoperativas

437

Bombeiros dizem que serviço está completamente inoperacional, devido ao facto de não haver nenhuma ambulância de socorro disponível por falta de macas, não havendo resposta para uma emergência.

Hospital de Santo André, do Centro Hospitalar de Leiria

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As macas retidas no hospital de Santo André, do Centro Hospitalar de Leiria, estão a deixar dezenas de ambulâncias inoperativas, sem possibilidade de fazerem socorro, disseram à agência Lusa algumas corporações de bombeiros.

“Estamos completamente inoperacionais. Das cinco ambulâncias de socorro, não temos nenhuma disponível por falta de macas. Neste momento, não tenho resposta para uma emergência que possa acontecer”, revelou o comandante dos Bombeiros Voluntários da Maceira, Luís Ferreira. Este comandante já informou o INEM [Instituto Nacional de Emergência Médica], o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) de Coimbra e referiu que iria contactar o presidente da Câmara de Leiria.

A maca que temos há mais tempo no hospital está retida desde a noite de domingo. As outras foram ficando ao longo deste período. O hospital alega que há um pico elevado de admissões. Acreditamos que também estão com dificuldades, mas preocupa-nos que todas as corporações estejam com este problema”, sublinhou Luís Ferreira.

Os Bombeiros Voluntários de Leiria têm macas 14 horas retidas nas urgências: “Como não têm macas para os doentes, ficam com as nossas. As ambulâncias ficam inoperacionais por falta de material”, afirmou o comandante Luís Lopes, revelando que na sua corporação ficaram com seis veículos fora de serviço.

Luís Lopes acrescentou que a retenção de macas é um problema que se coloca durante todo o ano, mas “agudiza-se quando há surtos”. “O hospital está a reter ilegalmente material que não é deles e nunca quis falar connosco. Se tivermos uma situação mais grave vão depois culpar os bombeiros ou o INEM por falta de resposta, quando não temos maca para ir a um socorro”, insistiu. Com duas macas de reserva, os Bombeiros Voluntários da Marinha Grande têm tentado gerir com recurso a este material.

“Por vezes, permite deixar lá uma maca e substituí-la pela suplente. Mas isso só sucede quando há material compatível e nem todas [as macas] o são”, disse o comandante Vítor Graça. Mas, quando não é possível, os bombeiros são obrigados a declarar a ambulância inoperativa. “Apesar de o hospital reclamar quando deixamos lá as macas, a verdade é que quando não têm camas utilizam as nossas”, acrescentou Vítor Graça.

A agência Lusa tentou obter esclarecimentos junto do Conselho de Administração do Centro Hospital de Leiria, mas ainda não foi possível.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)