Rádio Observador

Startups

Estas 8 startups portuguesas fecharam portas em 2018

Chich By Choice, CityDrive ou a CoolFarm. As startups também falham. A Teamlyzer listou os principais fechos de 2018 para mostrar isso e informar quem quer trabalhar no ecossistema.

A Chic By Choice é uma das startups que encerrou em 2018, mesmo sendo um negócio promissor

No mundo das startups, falhar está como os divórcios para os casamentos. É um tema tabu, mas todos sabem que acontece e é bastante normal. Em 2018, inúmeras startups promissoras e que anunciavam um futuro feliz tiveram este desfecho: o falhanço. Mas o fim não é uma vergonha. Ao Observador, Dinis Monteiro, que criou a base desta lista de startups que fecharam em 2018, no âmbito do trabalho que faz com a plataforma Teamlyzer, explica que é “importante saber” o que pode acontecer — “principalmente” para quem pensa sair do trabalho que tem para se juntar a uma startup.

Em 2017, o fundador desta plataforma que quer ser “o próximo Glassdoor”, uma base de dados onde colaboradores e antigos funcionários classificam anonimamente empresas, já tinha juntado, “com a ajuda da comunidade”, uma lista das startups “mais sonantes” que fecharam portas. “Foi bem recebida e é meramente factual, não tem nada a ver com análises ou juízos de valor sobre os projetos”, assume quanto a esta nova lista. E há uma coisa em comum entre todas as startups: eram bastante promissoras.

Na lista de 2018, há nomes de startups destacadas pela revista Forbes, casos de sucesso do Shark Tank e promessas que iam revolucionar o mundo da música. Também surgem mais três empresas, como a Brandia Central, a MusicVerb e a Tradiio, mas por a primeira não ser uma startup (esteve 20 anos em operação, entre outros motivos), a segunda ter sido comprada e a terceira estar a mudar o modelo de negócio, ficámos pelas oito que fecharam portas. Para confirmar os dados, foram utilizadas declarações dos fundadores e detalhes sobre a abertura de processos de insolvência. Deixamos a lista:

As startups que fecharam portas:

ChicByChoice, destacada pela Forbes e que prometia alugar vestidos de luxo de forma cómoda, mas deixou de o fazer.

A CoolFarm, que ia revolucionar a a agricultura com uma app e chegou a ser a “startup do ano”, mas acumulou quase um milhão em dívidas.

A iFarmácias, com investimento do SharkTank, que ia facilitar as idas à farmácias, mas desapareceu do mapa por causa do novo Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados, disse em maio a empresa (nem um site está online).

A Topdox ia facilitar o acesso a documentos na Cloud para as empresas e encerrou, mas o fundador pegou no conhecimento e deu palestras para os que querem aprender com os erros.

Huubster ia ajudar todos a comprar carros usados, mas o “projeto ambicioso” fechou de cabeça erguida e com a dica: “Para finalizar, queremos apenas dizer que não é por a Huubster falhar, que o mercado dos usados não esteja a progredir. Acreditamos que este foi um passo na direção certa e mais virão”, disse no Facebook a antiga empresa.

A CityDrive estava a levar os carros partilhados a um novo nível em Portugal. Conseguiu o que uma startup quer: ser comprada. Continuou a operar até 2018, quando faliu por falta de sustentabilidade do projeto (e dívidas a trabalhadores).

A Insizium ia levar a realidade virtual a mais pessoas e sem ser só através do entretenimento. Chegou a estar responsável pelo Visionarium de Santa Maria da Feira, mas entrou em processo de insolvência no ano passado.

Musikki ia juntar num sítio a informação precisa para se poder ouvir música online e ter informação da mesma. Fechou em 2018, como as outras empresas. O fundador aproveitou o conhecimento adquirido e já tem outros projetos, como o Gig Club.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)