Música

Porto e Lisboa vão ter um “clube de música” só com artistas independentes

527

Chama-se "Gig Club" e vai ser um "clube de música" para promover bandas independentes com concertos ao longo do ano no Porto e em Lisboa. Kamasi Washington é um dos primeiros nomes confirmados.

Low Roar, Kamasi Washington e Jessy Lanza são os nomes já confirmados para os primeiros concertos do Gig Club

O Gig Club é um “clube de música” criado por Gonçalo Araújo Fernandes e João Afonso, fundador da startup portuguesa Musikk, que vai promover concertos de bandas independentes no Porto e em Lisboa. Além de trazer a Portugal nomes como Kamasi Washington, Low Roar e Jessy Lanza, o Gig Club quer se um “serviço de subscrição de música ao vivo” e crescer para cidades como Madrid, Barcelona, Londres e Berlim. O primeiro concerto arranca já em janeiro.

É um clube de música, basicamente. É o como um serviço de subscrição de música ao vivo. Vamos promover concertos no Porto e em Lisboa. Ao comprar-se uma quota anual é possível ter acesso a vários benefícios”, conta João Afonso sobre o Gig Club.

O que o Gig Club quer fazer é promover concertos de artistas e bandas independentes que não estão associadas a grandes produtoras. O modelo de negócio baseia-se, principalmente, na subscrição de membros que, por uma anuidade de 50 euros, têm acesso gratuito a alguns “eventos secretos”, informação antecipada de todas as novidades e desconto em todos os concertos que decorrem em Portugal. Quando o projeto expandir para outras cidades na Europa, vai existir uma anuidade de 80 euros que vai cobrir todas as cidades em que o Gig Club estará presente. Como explica João Afonso, “a ideia é que haja recuperação do dinheiro passados 3/4 concertos e os sócios sejam os primeiros a conseguir os bilhetes”.

Para já, o Gig Club tem confirmados artistas como a canadiana Jessy Lanza, que vai atuar no Porto e em Lisboa a 23 e 24 de janeiro, respetivamente, Low Roar, que tem “concertos apontados” na Invicta e na capital a 12 e 13 de fevereiro, e o saxofonista Kamasi Washington, que vai atuar nas mesmas cidades a 10 e 11 de maio. Os concertos vão decorrer “em espaços como o Lux, Hard Club, MusicBox e Pérola Negra”. A 9 de janeiro, vai acontecer o primeiro “evento secreto no Porto”, que vai ser pensado para espaços que recebem “até 100 pessoas”. Os sócios só vão saber “o local e artista 24 horas antes, por mensagem”.

“O objetivo é criar a comunidade em torno de artistas”, diz João Afonso, que também é responsável pela organização do Tomorrow Comes Today (TCT). Esta conferência que quer ser a “Web Summit da Música” do Porto, apenas teve um pequeno evento em 2017 e, em 2018, não se realizou “porque não reunia as condições ideais”. Apesar de não estar ligado ao Gig Club, porque “não é tanto a pensar no consumidor”, João Afonso promete que em 2019 a conferência vai acontecer “com o mesmos parceiros (BBC, os estúdios Abbey Road, o Fórum Internacional de Managers de Música e a Associação de Música Independente)”, mesmo estando a promover esta nova iniciativa. Como explica João Afonso, “o TCT é focado no futuro da música, é uma coisa profissional muito focada”. Já o Gig Club, “é muito diferente, é virado para consumidores”.

O Gig Club tem investimento “100% português”, promovido pelo sócio do projeto Gonçalo Araújo Fernandes. Agora, o projeto vai começar com estes concertos, mas, no futuro, a ideia é ter eventos da “dimensão de coliseu, a receber mais de mil pessoas”. Atualmente, para o responsável da organização, “Portugal é capaz de ser é dos países com mais festivais da Europa per capita” e é preciso “contribuir para uma melhoria do mercado”, mesmo que seja o Gig Club em “co-produção” com a organização com outros eventos.

As subscrições do Gig Club arrancam a 12 de dezembro. O preço dos bilhetes dos concertos para quem não quiser fazer uma subscrição vai dos 15 aos 35 euros.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)