Greve

Costa “habituou-se a olhar para os enfermeiros como os que tudo suportavam”. A resposta da bastonária dos enfermeiros

1.877

Ana Rita Cavaco diz que "há um sentimento de cansaço" que impede os enfermeiros de cancelarem a greve. Mas não acha que haja necessidade de requisição civil, como o primeiro-ministro admitiu.

Inácio Rosa/LUSA

Depois da entrevista de António Costa à SIC, a bastonária dos enfermeiros respondeu que “o que incomoda o primeiro-ministro, tal como outras partes da sociedade, é que se habituou a olhar para os enfermeiros como os que tudo suportavam”. Em entrevista à SIC Notícias, Ana Rita Cavaco diz que esses tempos acabaram: “Não desejamos uma escalada de tensão. Mas se pensássemos em cancelar a greve e arranjar outras formas de resolver os problemas, isso não iria resultar. Tem a ver com este sentimento de cansaço”.

Ana Rita Cavaco respondia às declarações de António Costa, que no mesmo canal de televisão acusou a bastonária de ter violado a lei das ordens profissionais, que proíbe a promoção da atividade sindical: “No meu modesto entendimento a bastonária tem violado esta disposição”, disse o primeiro-ministro, que também admitiu fazer “comunicar às autoridades judiciárias os factos apurados”. Segundo Costa, a greve dos enfermeiros tem um “efeito cruel sobre os doentes”

A bastonária respondeu que a Ordem dos Enfermeiros está “de consciência tranquila”: “De há três anos para cá temos cumprido escrupulosamente aquilo que é a lei que nos criou. Nos primeiros artigos diz que os desígnios fundamentais da Ordem dos Enfermeiros não são só a proteção dos cuidados prestados às pessoas, mas também a defesa da profissão e da dignidade profissional. Não ultrapassámos as nossas competências de regulador profissional”, garante.

Questionada sobre se não está a incitar à greve ao anunciar, através do Facebook, que fez uma contribuição para o crowdfunding ligado ao protesto, Ana Rita Cavaco nega: “O dinheiro é meu. Estou a apoiar a greve. É minha obrigação enquanto bastonária estar ao lado da minha classe profissional naquilo que é justo”. De resto, a bastonária sublinhou que “não pode haver dois pesos e duas medidas”: também António Costa usou um crowdfunding para obter dinheiro para a campanha para a Câmara Municipal de Lisboa em 2013, recordou.

Em declarações à SIC Notícias, António Costa admitiu a hipótese de recorrer à requisição civil caso os serviços mínimos não sejam garantidos nos hospitais: “Nós não queremos uma escalada de tensão”, afirmou, mas estão em cima da mesa “os meios legais que forem possíveis e necessários” para colmatar os efeitos da greve. Ana Rita Cavaco diz que não é preciso chegar a tanto. Depois de recordar que uma requisição civil não acontece desde 1976, a bastonária garante que “não chegou à Ordem nenhuma denúncia” de que os serviços mínimos tinham sido violados em algum hospital do país. Se foram “tem de ser apurado”, diz.

Estas declarações chegam no mesmo dia em que o Ministério da Saúde reiterou que os sete centros hospitalares afetados pela greve cirúrgica estão a cumprir os procedimentos estabelecidos pelo Acórdão do Tribunal Arbitral, relativos aos serviços mínimos. O comunicado do governo é uma resposta ao anúncio da Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE), um dos sindicatos que convocou a greve, de que ia pedir à Procuradoria-geral da República (PGR) uma averiguação às suspeitas de tentativa de boicote à greve por parte do Ministério da Saúde.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
364

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)