A próxima cerimónia dos Óscares, a 24 de fevereiro, não terá apresentador anfitrião, confirmou esta terça-feira um porta-voz da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. A decisão foi tomada depois de Kevin Hart, escolhido para conduzir o evento, ter sido criticado por comentários homofóbicos feitos no Twitter entre 2009 e 2011. Em vez dele, uma lista de artistas convidados vai anunciar os vencedores ao longo da noite, está a noticiar a BuzzFeed.

A última vez que essa estratégia foi adotada foi em 1989. E foi desastroso. A cerimónia dos Óscares abriu com um número musical protagonizado pela Branca de Neve e Rob Lowe e tinha sido encenado por Allan Carr, realizador de “Grease – Brilhantina”. Esse espetáculo de onze minutos incluiu a participação “da juventude de Hollywood”, isto é, dos artistas entre os 15 e os 25 anos acabados de estrear na sétima arte. Mas correu tudo tão mal que a reputação de Allan Carr em Hollywood minguou sem nunca mais ter recuperado.

Da intervenção de Allan Carr nos Óscares só um aspeto permanece até hoje. É graças a ele que se diz: “And the Oscar goes to…” (em português, “E o Óscar vai para…”) em vez de “And the winner is…” (“E o vencedor é…” em português). Apesar do sucesso do mote, isso não levaria a cerimónia a bom porto. No final do evento, 17 celebridades, incluindo Julie Andrews e Paul Newman, assinaram uma carta aberta ao produtor do evento condenando o trabalho naquela edição dos Óscares.

Trinta anos depois da desastrosa 61ª edição dos Óscares, uma nova controvérsia voltou a atirar a produção para esse formato. Em 2011, Kevin Hart escreveu nas redes sociais: “Se o meu filho chegar a casa e tentar brincar com a casa de bonecas das minhas filhas, vou parti-la na cabeça dele e dizer-lhe: ‘Para com isso, não sejas gay’“. Um ano antes também tinha dito num espetáculo ao vivo que tinha medo que o filho, à época com três anos, fosse gay.

Oito anos depois, esses comentários vieram à tona e deram origem a acusações de homofobia contra o humorista. À conta disso, Kevin Hart recusou ser apresentador dos Óscares e os produtores não encontraram ninguém para o substituir. Por isso, a estratégia vai ser outra. Para já, a quantidade e a qualidade dos nomes já anunciados não faz antever a repetição do desastre de 1989 : artistas como Awkwafina, Daniel Craig, Chris Evans, Tina Fey, Whoopi Goldberg, Brie Larson, Jennifer Lopez, Amy Poehler, Maya Rudolph, Amandla Stenberg, Charlize Theron, Tessa Thompson e Constance Wu subirão à vez ao palco para entregar as estatuetas douradas.