Internet

Há ações das crianças na internet que são tecnicamente crimes, avisa a PGR

São atos que "se não fossem praticados por crianças seriam crimes": injúrias, ameaças, difamação e ameaças à integridade, grupo que se enquadra no "ciberbullying". PGR tem plano de prevenção.

"As crianças dominam a tecnologia, para o bem e para o mal" e é precisa "educação, antes de mais, na família e na escola", defendeu Pedro Verdelho, da PGR

KOBI GIDEON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

As crianças que passam demasiado tempo na internet podem estar a praticar o que seria crime se fosse feito por um adulto, alertou a Procuradoria-Geral da República, que lançou hoje um plano de prevenção e educação.

A procuradora-geral da República, Lucília Gago, disse aos jornalistas que esta é “uma área em expansão” a que os magistrados precisam de dar atenção e para isso vão ser formados para detetar casos em que crianças até aos 16 anos “não são imputáveis” apesar de cometerem “factos criminalmente relevantes”.

No caso de crianças a que se aplicam medidas tutelares educativas, deve ser incluída “a educação para o direito”, referiu a procuradora em declarações à margem do lançamento do Plano de Ação “Crianças e Crimes na Internet”.

O responsável pelo gabinete cibercrime da Procuradoria, Pedro Verdelho, afirmou que, na conceção do Ministério Público, “as crianças continuam a ser vítimas”, mas que a questão são “crianças que podem elas também praticar atos lesivos das outras pessoas”.

Trata-se de atos que “se não fossem praticados por crianças, tecnicamente seriam crimes”, como injúrias, ameaças, difamação e ameaças à integridade, um conjunto que se enquadra no “ciberbullying”.

“As crianças dominam a tecnologia, para o bem e para o mal” e é precisa “educação, antes de mais, na família e na escola”, defendeu Pedro Verdelho.

O plano de ação hoje lançado inclui formação para magistrados desde o verão até fevereiro do próximo ano e a produção de guiões para a investigação e para os tribunais de família e menores.

A responsável pelo gabinete da PGR para as crianças, Helena Gonçalves, reconheceu que a tendência atual não é atribuir sinais como abstinência escolar, isolamento ou queda inexplicável do rendimento escolar a consumos excessivos do ‘online’.

Mas em situações em que são os dispositivos eletrónicos a ocupar espaço na família, casos de dependência da Internet são uma realidade que “veio para ficar”, garantiu.

Ansiedade, sintomas de abstinência, agressividade, distúrbios de sono são consequências desse comportamento, indicador de “uma dependência sem substância”.

“O importante é não ignorar”, afirmou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Fintechs, Insurtechs e Regtechs /premium

João Freire de Andrade

Porque é que energia de ativação não foi ainda suficiente? Falta de foco? Orçamento? Atritos na decisão e navegação das políticas da organização? Sistemas informáticos desatualizados? Compliance?

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)