Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foram precisos apenas 57 minutos para os membros do Conselho Alargado de Crédito da Caixa Geral de Depósitos aprovarem “um financiamento” de 350 milhões de euros a Joe Berardo em março de 2007. De acordo com a edição em papel desta quinta-feira da revista Sábado, que teve acesso à ata da reunião, o encontro começou às 15h33 e terminou às 16h30. Durante esse período de tempo, foram discutidas operações de dez empresas e instituições, incluindo a de Berardo.

O empréstimo foi o terceiro concedido ao empresário madeirense desde o início do ano, num valor de 447 milhões de euros. A decisão acabou por transformar-se numa das maiores fontes de perda de dinheiro para o banco e foi tomada por um grupo de pessoas com pouca ou nenhuma experiência na banca, como explicou a Sábado — o vice-presidente do conselho de administração da Caixa, Maldonado Gonelha, e os administradores Armando Vara, Celeste Cardona e Francisco Bandeira.

Em troca dos 350 milhões de euros, o Conselho Alargado exigiu a Berardo que o valor das ações dadas como garantia fosse revisto trimestralmente. Caso este caísse, o empresário teria, segundo a mesma ata, de dar mais garantias e um aval pessoal que só podia ser dispensado depois de vistas as contas da Fundação Berardo, a devedora formal da dívida à Caixa.

CGD. Dívida milionária de Berardo renegociada apesar de sinal vermelho da Direção de Risco

Menos de um mês depois, contudo, o mesmo conselho que aprovou a necessidade de existir um aval pessoal da parte de Berardo fez questão de o dispensar ao baixar o rácio de cobertura do empréstimo pelas garantias em 5%. Passadas duas semanas, voltou a haver reunião e uma nova revisão favorável — a taxa de juro cobrada foi revista em baixa para 0,7%, em cima da Euribor a 6 meses. As atas destes encontros não incluem pormenores sobre o processo de tomada de decisão, apenas referem o que foi decidido por unanimidade. Uma prática que parecia ser comum nas reuniões do Conselho Alargado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De acordo com a Sábado, que falou com dois administradores bancários que preferiam manter o anonimato, apenas a decisão final era posta por escrito. Terá sido por isso que a auditora EY — contratada pela Caixa para analisar os piores créditos concedidos entre 2000 e 2015 e cujo relatório final foi divulgado no Parlamento na semana passada — não terá encontrado uma justificação para o facto de os administradores ignorarem os pareceres desfavoráveis da Direção de Risco do banco.