Caixa Geral de Depósitos

Governador do Banco de Portugal diz que pediu escusa sobre CGD em novembro passado

104

Governador do Banco de Portugal teve de esclarecer o esclarecimento da passada sexta-feira. Depois de ter dito que pediu escusa dos assuntos da Caixa, informou agora que o fez em novembro.

TIAGO PETINGA/LUSA

Os primeiros esclarecimentos do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, sobre a sua passagem pela Caixa Geral de Depósitos não resistiram mais de três dias. Na sexta-feira, o responsável do supervisor dos bancos informou em comunicado que pediu escusa de participar em quaisquer deliberações do Banco de Portugal relacionadas com a auditoria da EY à Caixa Geral.

Esta segunda-feira foi preciso reforçar as explicações. Num novo (e curto) comunicado à imprensa, Carlos Costa diz que, afinal, este pedido de escusa tinha sido feito em novembro do ano passado, algo que a nota de sexta-feira não referia.

Carlos Costa foi administrador entre abril de 2004 e setembro de 2006, e durante esse período, terá participado na aprovação de operações ruinosas como o crédito a Vale do Lobo e créditos a Manuel Fino e Joe Berardo (como revelou a revista Sábado na passada quinta-feira). A auditoria da EY à Caixa Geral incidiu sobre o período entre 2000 e 2015.

No comunicado divulgado na sexta-feira, Carlos Costa sublinha que as suas responsabilidades estavam nas áreas de marketing e internacional da instituição. “Durante todo o período em que exerceu funções de administrador na CGD, o governador não teve responsabilidades nas áreas de crédito, risco, acompanhamento de clientes ou de controlo e auditoria interna”, garante o comunicado.

Ainda assim, pelo facto de o mandato ter coincidido com o período em que mais problemas se acumularam na Caixa, o governador “comunicou ao Conselho de Administração do Banco de Portugal a sua intenção de não participar nas decisões do Banco de Portugal decorrentes das conclusões desta auditoria, tendo o Conselho de Administração aceite este motivo de escusa”.

Só não dizia quando tinha sido feito esse pedido, deixando no ar a possibilidade de ter sido feito após a divulgação da reportagem da Sábado. O novo comunicado diz agora que este pedido foi feito em novembro.

“Em complemento do comunicado publicado em 8 de fevereiro 2019, o Governador esclarece que o pedido de escusa relativamente à participação em deliberações do Banco de Portugal sobre situações abrangidas pela auditoria da EY à CGD foi apresentado na ocasião da primeira deliberação tomada neste âmbito, em 6 de novembro de 2018, e nessa data aceite pelo Conselho de Administração”, indica a nota desta segunda-feira.

Este novo comunicado surge horas depois de o Bloco de Esquerda ter reiterado o pedido a exoneração de Carlos Costa, considerando que o governador do Banco de Portugal cometeu uma “falha grave” nesta matéria.

Carlos Costa termina o mandato em julho de 2020. O governador deverá ser chamado novamente ao Parlamento para esclarecer os deputados naquela que vai ser já a terceira comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

Caixa para que te quero

Inês Domingos

Centeno quis a toda a força financiar a Caixa para lá do que seria aparentemente preciso, mas disse no Parlamento que não tem interesse no resultado da auditoria que revelou os desmandos socialistas. 

Liberalismo

Por uma alternativa política

Manuel Loureiro

Vivemos contentes com crescimentos poucochinhos, resignados a um aperto económico com que as famílias vivem? Se em 1974 ganhámos a democracia, não estará agora na hora de lutarmos pela liberdade?

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)