Caixa Geral de Depósitos

Governador do Banco de Portugal diz que pediu escusa sobre CGD em novembro passado

104

Governador do Banco de Portugal teve de esclarecer o esclarecimento da passada sexta-feira. Depois de ter dito que pediu escusa dos assuntos da Caixa, informou agora que o fez em novembro.

TIAGO PETINGA/LUSA

Os primeiros esclarecimentos do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, sobre a sua passagem pela Caixa Geral de Depósitos não resistiram mais de três dias. Na sexta-feira, o responsável do supervisor dos bancos informou em comunicado que pediu escusa de participar em quaisquer deliberações do Banco de Portugal relacionadas com a auditoria da EY à Caixa Geral.

Esta segunda-feira foi preciso reforçar as explicações. Num novo (e curto) comunicado à imprensa, Carlos Costa diz que, afinal, este pedido de escusa tinha sido feito em novembro do ano passado, algo que a nota de sexta-feira não referia.

Carlos Costa foi administrador entre abril de 2004 e setembro de 2006, e durante esse período, terá participado na aprovação de operações ruinosas como o crédito a Vale do Lobo e créditos a Manuel Fino e Joe Berardo (como revelou a revista Sábado na passada quinta-feira). A auditoria da EY à Caixa Geral incidiu sobre o período entre 2000 e 2015.

No comunicado divulgado na sexta-feira, Carlos Costa sublinha que as suas responsabilidades estavam nas áreas de marketing e internacional da instituição. “Durante todo o período em que exerceu funções de administrador na CGD, o governador não teve responsabilidades nas áreas de crédito, risco, acompanhamento de clientes ou de controlo e auditoria interna”, garante o comunicado.

Ainda assim, pelo facto de o mandato ter coincidido com o período em que mais problemas se acumularam na Caixa, o governador “comunicou ao Conselho de Administração do Banco de Portugal a sua intenção de não participar nas decisões do Banco de Portugal decorrentes das conclusões desta auditoria, tendo o Conselho de Administração aceite este motivo de escusa”.

Só não dizia quando tinha sido feito esse pedido, deixando no ar a possibilidade de ter sido feito após a divulgação da reportagem da Sábado. O novo comunicado diz agora que este pedido foi feito em novembro.

“Em complemento do comunicado publicado em 8 de fevereiro 2019, o Governador esclarece que o pedido de escusa relativamente à participação em deliberações do Banco de Portugal sobre situações abrangidas pela auditoria da EY à CGD foi apresentado na ocasião da primeira deliberação tomada neste âmbito, em 6 de novembro de 2018, e nessa data aceite pelo Conselho de Administração”, indica a nota desta segunda-feira.

Este novo comunicado surge horas depois de o Bloco de Esquerda ter reiterado o pedido a exoneração de Carlos Costa, considerando que o governador do Banco de Portugal cometeu uma “falha grave” nesta matéria.

Carlos Costa termina o mandato em julho de 2020. O governador deverá ser chamado novamente ao Parlamento para esclarecer os deputados naquela que vai ser já a terceira comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)