Rádio Observador

António Costa

Costa: PIB de 2,1% significa é que 2018 foi o segundo ano

PIB cresceu abaixo das previsões do Governo, mas o primeiro-ministro desvaloriza e diz que crescimento de 2,1% em 2018 representa segundo ano de convergência com a União Europeia

TIAGO PETINGA/LUSA

O primeiro-ministro desvalorizou esta quinta-feira o facto de se ter registado um aumento do PIB de 2,1%, abaixo da meta de 2,3% do Governo, preferindo sublinhar que este é o segundo ano consecutivo de convergência com a União Europeia.

Há um crescimento da economia de 2,1% e o que significa é que 2018 foi o segundo ano, desde que aderimos ao euro, em que crescemos mais do que média da União Europeia. Temos de trabalhar para que esses dois anos não tenham sido uma exceção, mas os primeiros dois anos de uma década continuada de convergência com a União Europeia”, disse António Costa.

Segundo a estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística (INE), o PIB português aumentou 2,1% em 2018, menos 0,7 pontos percentuais do que o observado no ano anterior.

De acordo com o INE, “esta evolução resultou do contributo mais negativo da procura externa líquida, verificando-se uma desaceleração das exportações de bens e serviços mais acentuada que a das importações de bens e serviços, e do contributo positivo menos intenso da procura interna, refletindo o crescimento menos acentuado do investimento”.

Em declarações aos jornalistas, no final de uma visita a uma fábrica da Siemens em Corroios, no Seixal, o primeiro-ministro António Costa, além de sublinhar os dois anos de convergência com a União Europeia, lembrou que os analistas internacionais têm sinalizado um abrandamento global da economia.

Mas apesar disso, Costa defendeu também que “isso não projeta necessariamente da mesma forma na nossa economia”, porque o país não entrou em recessão.

“Não parámos de crescer, continuámos a crescer”, disse António Costa no final da visita à fábrica que hoje anunciou hoje a intenção de contratar mais 102 trabalhadores para aumentar a produção de quadros elétricos de 2.000 para 3.200 por ano.

Apesar do abrandamento da economia internacional, temos aqui uma empresa que está a aumentar a sua produção em 60%, para poder aumentar as suas exportações de 85% para 92%, está a contratar mais cerca de 100 funcionários para trabalharem só nesta unidade e está a investir mais 25 milhões de euros e a contratar 300 engenheiros para alargar os seus centros de competência em matéria digital”, disse.

Para António Costa: “as empresas continuam a investir, a confiar que vão aumentar as exportações e esse é o maior sinal de confiança que podemos ter”.

Durante a visita, António Costa fez um elogio rasgado ao investimento alemão em Portugal e afirmou-se convicto de que o exemplo da fábrica da Siemens em Corroios representa, também, um sinal de confiança na economia portuguesa e no país.

Segundo o presidente executivo da Siemens Portugal, Pedro Pires de Miranda, a fábrica da Siemens em Corroios produz quadros elétricos de baixa tensão de grande qualidade, para setores críticos e para grandes empresas que não podem correr o risco de ter quebras de energia.

Pedro Pires de Miranda salientou ainda o facto de os quadros elétricos produzidos em Corroios terem o selo de qualidade `made in Europe´, que, segundo disse, “é uma referência para as grandes empresas que não querem arriscar ter paragens no fornecimento de energia às suas instalações, por falhas técnicas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)