Seja na fase regular ou final do Campeonato, na Taça de Portugal, na Taça da Liga ou na Supertaça, os encontros entre Sporting e Benfica têm de forma inevitável uma história diferente ao longo da temporada. Em 2018/19, ainda com as emoções a meio, já tivemos um pouco de tudo: na Liga, os encarnados venceram os leões por claros 4-1 na primeira volta, na Luz; na Ronda de Elite da Liga dos Campeões, que apurava para a Final Four da prova europeia, houve empate a um (que favoreceu mais os verde e brancos, que seguiram em frente); agora, na segunda volta do Campeonato, foi a vez do Sporting ganhar e com goleada (6-1), naquele que ficou também assinalado de forma simbólica como o 100.º dérbi entre os rivais na modalidade.

Depois do voleibol, o futsal: Benfica goleia Sporting por 4-1 e reforça liderança do Campeonato

Depois de um início equilibrado e marcado mais pelo estudo entre equipas do que outras coisa (embora conhecimento entre ambas é coisa que não falta, tendo em conta as vezes em que se cruzam ao longo de cada época), o Benfica começou a criar um maior número de desequilíbrios nas ações ofensivas – com e sem Roncaglio a subir para fazer o 5×4 – e chegou mesmo à vantagem por André Coelho, num lance com muitas culpas para o brasileiro Guitta que momentos antes travara um remate isolado do internacional português mas que no seguimento de um remate de fora deixou a bola passar a linha de golo (6′).

As características do jogo teriam tendência a mudar a partir daí, como é normal neste tipo de jogos grandes em que surge um golo numa fase inicial, mas o Sporting teve o mérito de anular rapidamente a desvantagem e passar até para a frente em cerca de um minuto (8′): primeiro foi Dieguinho a fazer o 1-1, numa recarga após lance individual de Cavinato defendido para a frente por Roncaglio; depois foi Pedro Cary a marcar o 2-1, no seguimento de um livre estudado em cima da linha da área do Benfica que resultou de um erro individual do guarda-redes brasileiro numa reposição de bola em jogo. A partir daí, a equipa de Joel Rocha passou a ter mais ataque organizado, contra um conjunto verde e branco a jogar mais em transições, mas Robinho e Fábio Cecílio desperdiçaram boas ocasiões entre uma bola no poste ainda desviada por Guitta (18′).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O primeiro momento de ânimos mais quentes surgiu já perto de intervalo, já depois dos muitos protestos no banco visitante por uma falta de Cardinal sobre Bruno Coelho quando as duas equipas estavam “tapadas” por faltas: numa disputa de bola, Henmi tocou com a mão na cara de Cardinal, o internacional português reagiu encostando a cabeça ao adversário, gerou-se uma grande confusão entre vários jogadores e os árbitros tiveram uma decisão “salomónica” de mostrarem o vermelho aos dois intervenientes no lance, num juízo mais penalizador para o japonês com dupla nacionalidade do que para o pivô leonino.

Na segunda parte, depois de dez minutos com algumas oportunidades (e “picardias”) mas sem a mesma qualidade de jogo – dérbi é sempre dérbi mas os dois conjuntos conseguem bem mais do que fizeram este sábado… –, o 3-1 apontado por Fábio Cecílio na própria baliza, depois de um remate do também campeão europeu Pany Varela que bateu no número 5 encarnado e acabou por trair Roncaglio, acabou por mudar por completo o rumo dos acontecimentos em Alvalade: enquanto o Benfica foi somando erros atrás de erros mesmo a jogar em 5×4, o Sporting somava uma eficácia de quase 100%, chegando à goleada por 6-1 com golos de Cavinato (35′, isolado), Dieguinho (39′, a encostar ao segundo poste) e Guitta (40′, de baliza a baliza).

No final, mais um momento de ânimos quentes entre jogadores sem que nada o fizesse prever: quando se cruzou com Dieguinho nos habituais cumprimentos a meio-campo, Miguel Ângelo exagerou na discussão, atingiu o brasileiro na cara, este tentou responder e gerou-se uma confusão que teve ainda o guarda-redes suplente dos encarnados, Cristiano, como um dos mais exaltados. Com este resultado, e com sete rondas da fase regular por disputar, o Benfica, que sofreu a primeira derrota da época (apesar de ter falhado a Final Four da Liga dos Campeões nunca perdeu na prova), continua a liderar o Campeonato com 54 pontos, mais dois do que o Sporting que, além da derrota na Luz, somou ainda um empate caseiro com o Quinta dos Lombos.