Um forte sismo de magnitude 7,7 na escala de Richter, que já foi seguido de duas réplicas de magnitude 6, atingiu o Equador perto da fronteira com o Peru, tendo sido sentido nos dois países. No entanto, como o presidente Lenín Moreno já anunciou não há danos maiores a relatar, já que o terramoto se deu a grande profundidade.

A hipótese de o terramoto gerar um tsunami já foi posta de lado pelo Pacific Tsunami Warning Center (Centro de Alerta de Tsunamis no Pacífico), avança a Reuters. Logo nos minutos seguintes ao sismo, surgiram alguns alertas, mas as autoridades chilenas, país que faz fronteira com o Peru, afastaram de imediato essa possibilidade.

“As características do sismo não reúnem as condições necessárias para gerar um tsunami na costa do Chile.” A informação está a ser divulgada pelas Informações de Emergência do Chile, citando informação do Serviço Hidrográfico e Oceanográfico da Armada (SHOA).

O epicentro do terramoto deu-se a 224 quilómetros de Ambato, capital da província de Tungurahua, e a 132 quilómetros de profundidades, segundo avança a Reuters, citando o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

Nas redes sociais já começaram a surgir os primeiros vídeos do sismo.

Depois do primeiro abalo, que foi sentido às 5:17 (hora local, 10:17 em Lisboa), já foram sentidas mais duas réplicas. Segundo o Instituto Geofísico do Equador, o primeiro sismo ocorreu em Macas, província de Morona Santiago, em plena Amazónia equatoriana, e teve magnitude de 7,7.  Três minutos depois foi sentida a primeira réplica, com uma magnitude de 6,06 na escala de Richter.

Às 5:40 sentiu-se o terceiro abalo, desta vez de magnitude 6,6, a 18 quilómetros de Guayaquil.