Rádio Observador

Enfermeiros

Greve dos enfermeiros. Supremo Tribunal Administrativo dá razão ao Governo sobre requisição civil

506

Sindicato tinha avançado com uma intimação para travar a requisição civil. Juízes chumbaram o pedido dos enfermeiros e deram razão ao Governo.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autores
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Supremo Tribunal Administrativo deu razão ao Governo sobre a requisição civil usada para travar a greve dos enfermeiros, segundo confirmou o Observador. Os juízes consideraram improcedente a intimação apresentada pelo SINDEPOR (Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal) para reverter a medida.

Não se conhecem para já os fundamentos da decisão do Supremo Tribunal Administrativo que, em comunicado, explica apenas que ambas as questões suscitadas pelos enfermeiros foram chumbadas. O Governo vai dar uma conferência de imprensa na tarde desta terça-feira (17h30), para explicar a decisão do tribunal.

No passado dia 7 de fevereiro, o Governo aprovou em conselho de ministros, uma requisição civil para os enfermeiros. O anúncio foi feito em conferência de imprensa, na qual a ministra da Saúde, Marta Temido, disse que o governo não teve “alternativa”. Essa requisição civil foi aplicada em quatro centros hospitalares: Entre Douro e Vouga, Universitário do Porto (Santo António), Universitário de São João e Tondela-Viseu. Só nesses hospitais é que os serviços mínimos decretados não foram cumpridos.

Na resposta, o SINDEPOR avançou com uma intimação para o Supremo Tribunal Administrativo, questionando os fundamentos da requisição civil e tentando, assim, impedir a decisão do Governo. A resposta chegou agora, com o chumbo do pedido do sindicato.

A requisição civil está prevista na legislação portuguesa desde 1974 e só pode ser usado quando “não estejam assegurados os serviços mínimos”. É um mecanismo utilizado apenas em “circunstâncias particularmente graves”, ou seja, só pode ser acionada em situações de emergência ou quando está em causa o cumprimento de serviços essenciais de interesse público. E um dos casos em que uma requisição civil pode ser acionada é na “prestação de cuidados hospitalares, médicos e medicamentosos”, tal como já antes explicou o Observador.

Requisição civil “não comprimiu o direito fundamental à greve dos trabalhadores”

Em conferência de imprensa, Tiago Antunes, secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, afirmou que o Tribunal Supremo Administrativo decidiu que a requisição civil “não comprimiu o direito fundamental à greve de todos os trabalhadores”.

Segundo Tiago Antunes, o conselho de ministros, ao aprovar a requisição civil, “pretendeu apenas salvaguardar o direito à saúde daqueles pacientes que necessitavam de cirurgias urgentes e prioritárias e nunca pretendeu pôr em causa o direito fundamental à greve”. Foi por isso, continuou o secretário de Estado, que o STA reconheceu, “ao afirmar preto no branco”, que o Governo apenas “visou garantir o cumprimento dos serviços mínimo naqueles hospitais”.

Sobre o futuro, Tiago Antunes afirmou que o Governo pretende “recuperar a normalidade de funcionamento nos hospitais”, sendo que pretende fazê-lo “em conjunto com todos os profissionais de saúde, incluindo os enfermeiros”. O secretário de Estado assegurou ainda que, em breve, os sindicatos serão novamente chamados para negociar outros aspetos referentes à atual situação dos enfermeiros.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, veio também dar razão ao Governo. O chefe de Estado, que falava à margem do lançamento do Prémio Firma & Futuro, em Carcavelos, no ‘campus’ da Nova ‘School of Business & Economics’, disse que a decisão do STA, na opinião do chefe de Estado, é “muito clara”, ao entender que o Governo atuou legalmente quando decretou a requisição civil “e não deu razão aos sindicatos”.

“Em boa hora surgiu, antes mesmo da decisão, um espírito de entendimento e de compreensão por parte dos sindicatos e da própria Ordem [dos Enfermeiros], de que é importante falar, é importante dialogar”, notou, referindo-se ao processo negocial entretanto retomado pelo Governo.

Marcelo Rebelo de Sousa salientou que “o tribunal foi muito claro ao dizer que tinha havido o não preenchimento de algumas situações daquilo que eram as exigências de serviços mínimos”.

Sindicato vai “reagir juridicamente”

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR) pretende “reagir juridicamente” à decisão tornada pública esta terça-feira, na qual o Supremo Tribunal Administrativo dá razão ao Governo no que à requisição civil diz respeito. Em resposta, o presidente desta organização sindical, Carlos Ramalho, disse à agência Lusa, citado pela Renascença, que os respetivos advogados vão analisar se vão ou não recorrer da decisão do STA.

Estamos a analisar o processo, ainda não conheço o conteúdo, de qualquer forma vamos reagir juridicamente dentro do que for as possibilidades e o quadro jurídico. Isso agora está entregue aos advogados”, disse o dirigente sindical.

Garcia Pereira, advogado do SINDEPOR, disse ainda à Renascença que “se for como o STA está a decidir agora, o Governo descobriu a fórmula para inutilizar, na prática, o direito à greve”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)