Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Maior derrota caseira de sempre na Europa, eliminação da Liga dos Campeões logo nos oitavos, falta de objetivos desportivos no início de março, discussão acesa entre presidente e capitão, pedidos de demissão do líder do clube enquanto já existem manobras de bastidores no sentido de encontrar uma alternativa viável às eleições, lesão do jogador em melhor momento (Vinicius). A lista podia não ficar por aqui em relação a tudo o que se passou com o Real Madrid na presente semana. As coisas já não andavam muito famosas mas a humilhação no Santiago Bernabéu frente ao Ajax, depois de dois desaires consecutivos em casa com o rival Barcelona, foi a última gota num copo que há muito transbordava. Mas ainda houve mais alguns episódios.

Ramos a gravar um documentário, insultos a Florentino, de novo Ronaldo e Mourinho: o rescaldo do fim de uma era no Real

Isco, um nome que antes se pedia para ser titular mas que agora, com a chegada de Solari, nem conta em termos de convocados, voltou a ficar de fora da lista dos merengues para o encontro frente ao Valladolid. Até aqui, nada de novo. Mas houve caso: afinal, o jogador está sob a alçada disciplinar do clube, a pedido do próprio treinador. Como explica o As, a má relação não é de agora e o argentino não perdoa a atitude que o internacional espanhol tem demonstrado com as sucessivas passagens pelo banco e pela bancada, tal como aconteceu diante dos holandeses onde nem sequer se juntou à equipa para ir de autocarro para o Bernabéu depois de saber que ficaria de fora dos 18. Este domingo, mesmo com as ausências de Vinicius, Lucas Vázquez, Gareth Bale ou Mariano, Isco voltou a não seguir viagem. E não parece que nada vá mudar até ao final da época.

No último treino antes do jogo, mais um episódio de tensão e logo entre o capitão… e o subcapitão: num dos habituais jogos que concluem a sessão, a equipa de Marcelo ganhou contra a formação de Sergio Ramos e o brasileiro terá abusado dos festejos pelo resultado, algo que levou a que o espanhol lhe dissesse que tinha faltado ao respeito ao plantel e ao treinador, como escreve a Marca. Os próprios companheiros terão tentado acalmar um pouco os ânimos mas, no final, lá ficaram seladas as pazes entre os dois jogadores mais antigos do plantel e que são representados pelo mesmo agente: René Ramos, irmão de Sergio.

Marcelo e Sergio Ramos tiveram um desentendimento no último treino antes do jogo com o Valladolid (Dean Mouhtaropoulos/Getty Images)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Solari, que chegou à conferência de antevisão do jogo com o Valladolid com quase uma hora e meia de atraso (devido a uma conversa no balneário com o plantel, mais uma), admitiu que alguns jogadores estão com um rendimento abaixo do que deveria aconteceu num clube como o Real Madrid, acrescentando mesmo que já disse a cada um deles isso mesmo. Depois da agitação que marcou o quotidiano do clube nos últimos dias, os merengues procuravam a luz que permitisse voltar às vitórias e lutar pelo segundo lugar do Atl. Madrid (que já vencera esta ronda) mas parecia que nada corria mesmo de feição e até o aquecimento teve problemas porque os dois conjuntos tiveram de cumprir esse período às escuras, por falta de eletricidade.

Com Ramos ainda de fora por castigo e também Carvajal lesionado, Solari mexeu na equipa de forma conservadora, lançando Odriozola na lateral direita e a dupla Dani Ceballos-Asensio no apoio a Benzema no ataque. No banco continuaram Marcelo e Brahim Díaz, jovem contratado ao Manchester City como grande aposta mas que não passou ainda de um par de minutos em campo. Em termos globais, e sobretudo na primeira parte, pouco ou nada funcionou. Ainda assim, um pouco do nada, o Valladolid não foi além de um empate ao intervalo: Ruben Alcáraz falhou um penálti (12′), Guardiola viu dois remates certeiros anulados pelo VAR (15′ e 19′), Anuar Tuhami inaugurou finalmente a contar o marcador (29′) mas, apenas cinco minutos depois, um erro na abordagem do guarda-redes Jordi Masip permitiu que Varane fizesse o 1-1 com que se chegou ao descanso.

No segundo tempo, e depois de mais duas oportunidades flagrantes de golo desperdiçadas pelo conjunto de Sergio González, dois golos de Benzema em menos de dez minutos acabaram por confirmar o triunfo dos merengues: primeiro na marcação de uma grande penalidade por falta sobre Odriozola (51′), depois de cabeça na sequência de um canto (59′). Ainda assim, e quando o conjunto da capital espanhola tinha tudo para controlar, Guardiola ainda acertou no poste (77′) e Casemiro deixou a equipa reduzida a dez, num lance caricato onde viu o segundo amarelo por estar à frente da bola num livre para o Valladolid, antes de Modric chegar à goleada com um trabalho individual dentro da área com remate cruzado (85′). A dois minutos do fim, mais um momento “simbólico”: Marcelo entrou e Benzema foi dar a braçadeira ao lateral brasileiro.