Rádio Observador

Televisão

“Começar do Zero”. Já estreou o novo reality show da TVI que põe adultos a andar despidos pela rua

952

Depois de "Quem Quer Casar Com o Meu Filho?", a TVI estreou este domingo mais um novo formato. Agora os participantes são despojados dos seus bens e andam nus pela rua. Mais polémica à vista?

D.R.

Quem estivesse a fazer zapping pela televisão no domingo à noite, por volta das 22h, corria o risco de cruzar-se com pessoas nuas a correrem no mato durante a noite, a fazerem flexões ou a dormirem dentro de uma espécie de “fortificação” improvisada com pequenas peças de mobiliário. Parece estranho, mas aconteceu mesmo e foi a estreia do mais recente reality show da TVI, “Começar do Zero”.

Tudo pode parecer confuso mas a premissa por detrás deste programa explica tudo: durante 10 dias, vários participantes (de Lisboa, Braga, Fátima e Montijo, neste caso) oferecem-se voluntariamente para abdicarem de todos os seus pertences — móveis, roupa, tecnologia, eletrodomésticos e até comida — para perceberem o real valor daquilo que têm. Uma suposta lição sobre o consumismo e o valor que damos aos bens materiais nos dias que correm.

Depois de toda a polémica causada pelo seu mais recente reality show, o programa “Quem Quer Casar Com o Meu Filho?”, a TVI voltou a arriscar num formato que parece já estar a fazer furor nas redes sociais. Apesar do efeito novidade que este “Começar do Zero” está a causar nos portugueses, a verdade é que ele já tem quatro anos — e começou de forma relativamente diferente.

Criado em 2015, na Dinamarca, esta versão cujo título original era “Undressed” foi criada com a intenção de revelar a verdade pura e dura do estilo de vida consumista das sociedade contemporâneas. O primeiro programa de todos envolveu quatro participantes em Copenhaga que foram viver para apartamentos individuais totalmente vazios, podendo uma vez por dia ir buscar um dos seus objetos pessoais ao enorme contentor onde tudo fica guardado, ao pé da casa de cada um.

O programa do canal DB3 foi um sucesso estrondoso e muitos diziam na altura que isso apenas se devia à nudez. Irene Stroeyer, a diretora criativa deste “Undressed”, contudo, sempre recusou esse cenário e chegou mesmo a afirmar ao Daily Mirror que a popularidade da sua criação devia-se apenas ao impacto moral que tinha nos espetadores. “O objetivo da experiência é despoletar uma sensação mais apurada daquilo que é o nosso comportamento consumista”, explicou.  “É muito extremo, claro, entregar tudo o que tens. O objetivo é fazer com que tanto os participantes como os espetadores pensem naquilo que realmente precisam ou não. O que é inútil e o que é importante.”

[O trailer do programa original]

De volta a Portugal e às redes sociais, o programa “Começar do Zero” já começou a suscitar o interesse (e humor), e ao cair da noite o Twitter vestia-se de comentários para todos os gostos: “Estão todos vestidos na RTP, que seca” ou “Apesar de serem pessoas adultas, se fosse o pai desta gente que participa no programa da TVI ainda era gajo para lhes dar um par de estalos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)