Rádio Observador

Futebol

Seleção da Catalunha vai a jogo na próxima segunda-feira e Piqué e Xavi estão convocados

164

Piqué e Xavi já não representam a seleção espanhola mas aceitaram jogar pela seleção da Catalunha na segunda-feira. Será a primeira vez que os catalães jogam em datas de compromissos internacionais.

Piqué renunciou à seleção espanhola mas vai representar a catalã na próxima segunda-feira

AFP/Getty Images

O polémico referendo à independência da Catalunha foi já no dia 1 de outubro de 2017. Quase um ano e meio depois, Carles Puigdemont permanece em Bruxelas, vários políticos catalães continuam presos e o assunto faz ainda manchetes na imprensa espanhola de forma regular. No pré-referendo e no período conturbado que se sucedeu, a eventual independência da região motivou várias antecipações daquilo que aconteceria no panorama político, no panorama social, económico e ainda desportivo. Além do Barcelona, muito se falou sobre o que aconteceria à seleção espanhola, que perderia vários jogadores habitualmente titulares para a seleção catalã. A independência da Catalunha permanece congelada; mas, pelo menos no prisma desportivo, o assunto está longe de se tornar monótono.

A seleção de futebol da Catalunha existe desde 1904. Ainda assim, não é reconhecida nem pela FIFA nem pela UEFA, não podendo, por isso mesmo, participar nos Campeonatos do Mundo ou da Europa. Desde a fundação, a Catalunha jogou mais de 200 encontros particulares com outras seleções, nacionais ou regionais, ou até com clubes, e as partidas tornaram-se mais frequentes desde 1997. Como a seleção não integra qualquer organismo de regulação do futebol europeu e mundial, os critérios de elegibilidade consoante o local de nascimento não se aplicam à Catalunha e a equipa adquiriu o hábito, ao longo dos anos, de convocar jogadores ditos convidados, na sua maioria do Barcelona ou do Espanyol. Exemplos disso mesmo são Iniesta, Stoichkov, Neeskens e até Cruyff, que foi também selecionador da Catalunha entre 2009 e 2013.

Piqué, Busquets e Xavi são frequentemente convocados para a seleção da Catalunha

O não reconhecimento da seleção catalã por parte da FIFA ou da UEFA indicava ainda que a Catalunha dificilmente jogaria nas janelas previstas durante a temporada para os compromissos internacionais das seleções: já que praticamente todos os jogadores, ou pelo menos os mais relevantes, estariam ao serviço da seleção espanhola. Desta vez, porém, a seleção catalã decidiu marcar um jogo particular para a próxima segunda-feira, dia em que se realizam partidas da qualificação para o Euro 2020. O encontro, que será no Estadi Montilivi, em Girona, contra a seleção da Venezuela, está desde logo envolto em polémica: mas o enredo engrossou ainda mais nos últimos dias.

Gerard Piqué, central do Barcelona que foi campeão europeu e mundial ao serviço da seleção espanhola, anunciou após o Mundial da Rússia que não voltaria a vestir a camisola da La Roja. Ainda assim, o jogador de 32 anos aceitou a convocatória da Catalunha e vai estar presente no encontro contra a Venezuela, assim como Marc Bartra (Betis), Aleix Vidal (Sevilha), Bojan Krkic (Stoke City) e ainda Xavi, o médio ex-Barcelona que representa agora o Al-Sadd do Qatar. A convocatória, contudo, não foi fácil de fechar. Gerard López, o selecionador catalão que treinou a equipa B do Barcelona até 2018, explicou esta quarta-feira que três clubes recusaram a ida de jogadores à seleção — ainda que tenham alegado motivos desportivos.

O central Marc Bartra ao serviço da seleção catalã, durante um particular com Cabo Verde, em 2013

A conferência de imprensa de Gerard López começou mesmo depois da hora marcada, já que a equipa técnica ainda estava à espera de receber as últimas confirmações por parte dos clubes. Esta terça-feira, o Valladolid adiantou-se e anunciou que Masip e Alcáraz não compareceriam à convocatória para permanecer com o grupo, sublinhando a fase crucial da temporada em que o clube se encontra; decisão reiterada pelo Huesca, que minutos antes da conferência de imprensa de López tornou oficial que Enric Gallego e Gallar não jogariam pela seleção, assim como o Rayo Vallecano. A lista do selecionador catalão fica então reduzida a 20 jogadores e a equipa técnica vai ainda deliberar para preencher os lugares vagos.

A partida desta segunda-feira entre Catalunha e Venezuela vai estar sob os olhos do mundo do futebol — e da política, da economia e da sociedade, já que são mais do que previsíveis as demonstrações de apoio aos políticos catalães que estão presos. Xavi, que deixou a seleção espanhola logo após o final do Mundial 2014, vai realizar o último jogo pela Catalunha e será homenageado. Pelo meio, Piqué está sob fogo da opinião pública espanhola, Valladolid, Huesca e Rayo Vallecano estão sob fogo da generalidade da opinião pública catalã e Gerard López tem apenas 20 jogadores para defrontar a seleção venezuelana.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)