Rádio Observador

Teatro

Peça “O Resto Já Devem Conhecer do Cinema” leva a palco a fatalidade da sociedade moderna

171

A peça "O Resto Já Devem Conhecer do Cinema" vai estrear na próxima quarta-feira, no Teatro Nacional de São João, no Porto

FERNANDO VELUDO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A peça “O Resto Já Devem Conhecer do Cinema”, que estreia na quarta-feira no Teatro Nacional de São João, no Porto, confronta em palco o drama de uma família “pouco ortodoxa” e a fatalidade da sociedade moderna.

Com estreia marcada para o Dia Mundial do Teatro, a 27 de março, a peça “O Resto Já Devem Conhecer do Cinema”, que o dramaturgo inglês Martin Crimp escreveu em 2013, volta a juntar os encenadores Nuno Carinhas e Fernando Mora Ramos, após “O Fim das Possibilidades”, de Jean-Pierre Sarrazac.

Em declarações aos jornalistas depois do ensaio de imprensa que se realizou esta quinta-feira no Teatro Nacional de São João (TNSJ), Nuno Carinhas afirmou que esta é uma peça “particularmente feliz”, e que, ao apropriar-se da tragédia grega “Fenícias”, de Eurípides, mantém-se “muito fiel ao original”.

“Martin Crimp dentro de toda a sua poesia, aquilo que é extraordinário, atira-nos com expressões de hoje completamente coloquiais, de uma família mesmo malcriada e isso de alguma maneira nos desperta”, frisou.

Em palco, as personagens Jocasta, Édipo, Antígona, Creonte, Etéocles e Polinices são confrontadas com “um coro”, representado por um grupo de quatro raparigas, as Fenícias, que “falam das nossas coisas de hoje e dos nossos fenómenos”.

“Isto é uma forma de nos estar permanentemente a tirar o tapete de uma perceção mais natural do que será o drama, portanto, está-nos a convocar para outro imaginário, e não só aquilo que estamos a ver que é a história da família”, apontou Nuno Carinhas.

Na perspetiva de Fernando Mora Ramos, as Fenícias com a “sua voz muito assertiva, muito crítica”, fazem, ao longo de toda a peça, perguntas “inconvenientes” relacionadas com “a espécie de caminhada do planeta para o abismo”.

“É no feminino que elas [fenícias] fazem as perguntas. São muito operacionais, muito ativas, muito capazes de transformar as coisas, não são moles nem tem nada a ver com o estereotipo feminino mais antigo, elas são fisicamente fortes”, salientou.

Em “O Resto Já Devem Conhecer do Cinema”, Martin Crimp descreve a história de Édipo, que amaldiçoa os seus filhos, Etéocles e Polinices, dando-lhes a governação da cidade de Tebas (onde atualmente se situa a Síria, Líbano, Palestina e Israel). Como recusa à maldição do pai os dois irmãos alteram a governação entre si, mas assim que Polinices regressa à cidade para o seu ano de comando, Etéocles recusa-se a ceder-lhe a cidade.

Repleta de questões de índole política, guerra, justiça e caos, Fernando Mora Ramos salientou que a peça é o reflexo do “teatro de crueldade” de Martin Crimp, que não “cede um milímetro ao lamechismo”, e contraria a tendência atual “generalizada para o entendimento lacrimejante das coisas”.

“Há um grande mau estar hoje, e Crimp vai ao encontro disso para escrever as suas coisas, e o modo como ele não desiste da racionalidade e da pergunta, e ao mesmo tempo faz um teatro que é duro fisicamente e se dirige ao corpo, entendemos as coisas também através do que é físico. Eu creio que, desse ponto de vista, é um teatro que mistura a lição ‘brestiana’ [Bertolt Brecht] da estranheza com uma coisa muito física”, sublinhou Mora Ramos.

A peça, que é uma produção própria do TNSJ em colaboração com o Teatro da Rainha, pode ser vista de 27 de março a 14 de abril, com representações, à quarta-feira e sábado, às 19:00, à quinta e sexta-feira, às 21:00, e, ao domingo, às 16:00.

O preço dos bilhetes varia entre os 7,50 e os 16 euros.

Nos dias 24 e 25 de maio, a peça estará em cena no Centro Cultural e de Congressos de Caldas da Rainha.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)