Universidade do Porto

Universidade do Porto. Precários desesperados com chumbo no PREVPA começam a emigrar

Os investigadores e cientistas da Universidade do Porto estão a emigrar já que a instituição chumbou recentemente centenas de requerimentos ao programa de regularização extraordinária de precários.

Os investigadores queixam-se de viver "toda a sua vida laboral em contratos a curto termo"

Rui Farinha/LUSA

Sacrifício pessoal, resiliência durante décadas, sentimentos de impotência sobre as políticas para a investigação científica e a emigração são algumas das armas usadas pelos investigadores e professores da Universidade do Porto (U.Porto) para combater a precariedade.

“Senti-me, de certa maneira, coagido pela situação. Não pela Universidade do Porto em si, mas senti que a situação em Portugal era crónica, não vi luz ao fundo do túnel, não vi medidas a serem estabelecidas e, portanto, apesar do meu esforço e do meu investimento e dedicação (…) chegava ao fim da linha”, desabafou Pedro Figueira, 35 anos, astrónomo que trabalhou nos últimos oito anos no Centro de Astrofísica da Universidade do Porto e que emigrou para o Chile.

Formado em Física, especializado em astronomia pela Universidade de Lisboa e com doutoramento no Observatório de Genebra (Suíça) em 2010, Pedro Figueira está a trabalhar no European Southern Observatory (ESO), uma organização intergovernamental de pesquisa consagrada pela construção e operação de alguns dos maiores e mais avançados telescópios baseados no planeta Terra devido à situação de “grande instabilidade” da ciência em Portugal.

Assume que decidiu ir para o Chile depois de ver chumbado pela Universidade do Porto o requerimento para o Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP).

Fiz o pedido para o PREVPAP antes de vir para o Chile e foi a decisão da Universidade do Porto de forma absolutamente perentória de excluir os centros de investigação uma das razões que me fizeram perder toda a esperança no sistema português, tal como está instituído”, explica o astrónomo, considerando que o País está a formar pessoas, para as “entregar à sua sorte”.

Nós não temos estratégia científica em Portugal. Isto é muito mais profundo do que o PREVPAP, é a maneira como respeitamos o trabalho dos investigadores e a maneira como respeitamos a ciência em Portugal ou não, porque o país, simplesmente hoje em dia não está a respeitar a maneira como fazemos ciência”.

“Em Portugal só existe instabilidade. Em Portugal não existe um objetivo de fixação, não existe um objetivo de independência. Os investigadores vivem toda a sua vida laboral em contratos a curto termo, em instabilidade, dependentes do Estado e basicamente somos impotentes perante esse género de decisões”, assume, referindo que o reitor da Universidade do Porto está a ter uma reação “muito comezinha” e “paroquial” face a um problema nacional.

A Universidade do Porto chumbou recentemente a maioria dos requerimentos ao PREVPAP de centenas de investigadores e professores.

Isabel Gomes, 40 anos, bolseira na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da U.Porto, assume-se como precária, porque uma “bolsa não é um vínculo laboral” e também admite ter pensado em emigrar para um país nórdico, onde o seu doutoramento e experiência fossem valorizados e só não o faz devido à situação familiar.

O que acontece com esta massa de pessoas que estão neste momento na mesma situação que eu a concorrer ao PREVPAP e que lutam pela regularização dos seus vínculos é que elas só sobrevivem à custa de uma resiliência muito grande e do sacrifício das suas vidas pessoais, porque não tendo os seus direitos laborais assegurados, estão sujeitas a condições altamente precárias e não têm horizonte”.

Isabel Gomes defende que “é preciso dignificar o trabalho” e “os trabalhadores que se encontram com vínculo precário e que são a vida, a alma e a ação das instituições” e deixa um apelo ao reitor da U.Porto para que reconheça a “importância dos trabalhadores precários”.

Margarida Cunha, 46 anos, trabalha no Centro de Astrofísica da U.Porto, é licenciada em Física Matemática Aplicada, orienta alunos de doutoramento e de mestrado, viu negado o requerimento ao PREVPAP e só não emigra, porque tem duas filhas e um marido com um emprego estável.

“São 20 anos de vínculo precário, sempre com diferentes contratos”, assume Margarida Cunha, que ingressou na U.Porto em 1999.

“Sinto que isto é um erro tremendo do ponto de vista do país e do Estado, porque essa estabilidade é importante também para a ciência que se faz e para que Portugal possa ter papéis relevantes lá fora em missões que estamos envolvidos que são feitas a 10, 15, 20 anos. Sem estabilidade, os nossos parceiros internacionais olham para nós e dizem aquela pessoa não pode liderar nada, porque não nos dá garantia de nos próximos 10, 15, 20 anos, que é o tempo que dura o projeto, e pode-nos falhar a qualquer momento”, conclui Margarida Cunha.

A Universidade do Porto foi fundada a 22 de março de 1911, celebrando o seu 108.º aniversário na próxima sexta-feira, com uma cerimónia onde se prevê a presença do Presidente da República.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alterações Climáticas

O tempo está esquisito /premium

Alberto Gonçalves
1.371

De proibições está a História cheia, e seria expectável que os avanços científicos, que as sofreram, contribuíssem para um clima de liberdade. Ironicamente, se a ciência é isto, a ciência enganou-nos.

Alterações Climáticas

O erro da Universidade do Porto

João L. Monteiro
679

Até prova em contrário, o consenso é de que há alterações climáticas com uma causa associada às actividades humanas, entre outros fatores, ao contrário da ideia que este evento pretende fazer passar.

Ciência

Carreiras e micro-ondas

Gonçalo Leite Velho
158

A verdade é que quem tem qualidade mantém todas as reservas sobre o rumo da política de Ciência em Portugal. É que o clientelismo e o nepotismo são apenas parte de um sistema mal desenhado.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)