Rádio Observador

Universidade do Porto

Universidade do Porto. Precários desesperados com chumbo no PREVPA começam a emigrar

Os investigadores e cientistas da Universidade do Porto estão a emigrar já que a instituição chumbou recentemente centenas de requerimentos ao programa de regularização extraordinária de precários.

Os investigadores queixam-se de viver "toda a sua vida laboral em contratos a curto termo"

Rui Farinha/LUSA

Sacrifício pessoal, resiliência durante décadas, sentimentos de impotência sobre as políticas para a investigação científica e a emigração são algumas das armas usadas pelos investigadores e professores da Universidade do Porto (U.Porto) para combater a precariedade.

“Senti-me, de certa maneira, coagido pela situação. Não pela Universidade do Porto em si, mas senti que a situação em Portugal era crónica, não vi luz ao fundo do túnel, não vi medidas a serem estabelecidas e, portanto, apesar do meu esforço e do meu investimento e dedicação (…) chegava ao fim da linha”, desabafou Pedro Figueira, 35 anos, astrónomo que trabalhou nos últimos oito anos no Centro de Astrofísica da Universidade do Porto e que emigrou para o Chile.

Formado em Física, especializado em astronomia pela Universidade de Lisboa e com doutoramento no Observatório de Genebra (Suíça) em 2010, Pedro Figueira está a trabalhar no European Southern Observatory (ESO), uma organização intergovernamental de pesquisa consagrada pela construção e operação de alguns dos maiores e mais avançados telescópios baseados no planeta Terra devido à situação de “grande instabilidade” da ciência em Portugal.

Assume que decidiu ir para o Chile depois de ver chumbado pela Universidade do Porto o requerimento para o Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP).

Fiz o pedido para o PREVPAP antes de vir para o Chile e foi a decisão da Universidade do Porto de forma absolutamente perentória de excluir os centros de investigação uma das razões que me fizeram perder toda a esperança no sistema português, tal como está instituído”, explica o astrónomo, considerando que o País está a formar pessoas, para as “entregar à sua sorte”.

Nós não temos estratégia científica em Portugal. Isto é muito mais profundo do que o PREVPAP, é a maneira como respeitamos o trabalho dos investigadores e a maneira como respeitamos a ciência em Portugal ou não, porque o país, simplesmente hoje em dia não está a respeitar a maneira como fazemos ciência”.

“Em Portugal só existe instabilidade. Em Portugal não existe um objetivo de fixação, não existe um objetivo de independência. Os investigadores vivem toda a sua vida laboral em contratos a curto termo, em instabilidade, dependentes do Estado e basicamente somos impotentes perante esse género de decisões”, assume, referindo que o reitor da Universidade do Porto está a ter uma reação “muito comezinha” e “paroquial” face a um problema nacional.

A Universidade do Porto chumbou recentemente a maioria dos requerimentos ao PREVPAP de centenas de investigadores e professores.

Isabel Gomes, 40 anos, bolseira na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da U.Porto, assume-se como precária, porque uma “bolsa não é um vínculo laboral” e também admite ter pensado em emigrar para um país nórdico, onde o seu doutoramento e experiência fossem valorizados e só não o faz devido à situação familiar.

O que acontece com esta massa de pessoas que estão neste momento na mesma situação que eu a concorrer ao PREVPAP e que lutam pela regularização dos seus vínculos é que elas só sobrevivem à custa de uma resiliência muito grande e do sacrifício das suas vidas pessoais, porque não tendo os seus direitos laborais assegurados, estão sujeitas a condições altamente precárias e não têm horizonte”.

Isabel Gomes defende que “é preciso dignificar o trabalho” e “os trabalhadores que se encontram com vínculo precário e que são a vida, a alma e a ação das instituições” e deixa um apelo ao reitor da U.Porto para que reconheça a “importância dos trabalhadores precários”.

Margarida Cunha, 46 anos, trabalha no Centro de Astrofísica da U.Porto, é licenciada em Física Matemática Aplicada, orienta alunos de doutoramento e de mestrado, viu negado o requerimento ao PREVPAP e só não emigra, porque tem duas filhas e um marido com um emprego estável.

“São 20 anos de vínculo precário, sempre com diferentes contratos”, assume Margarida Cunha, que ingressou na U.Porto em 1999.

“Sinto que isto é um erro tremendo do ponto de vista do país e do Estado, porque essa estabilidade é importante também para a ciência que se faz e para que Portugal possa ter papéis relevantes lá fora em missões que estamos envolvidos que são feitas a 10, 15, 20 anos. Sem estabilidade, os nossos parceiros internacionais olham para nós e dizem aquela pessoa não pode liderar nada, porque não nos dá garantia de nos próximos 10, 15, 20 anos, que é o tempo que dura o projeto, e pode-nos falhar a qualquer momento”, conclui Margarida Cunha.

A Universidade do Porto foi fundada a 22 de março de 1911, celebrando o seu 108.º aniversário na próxima sexta-feira, com uma cerimónia onde se prevê a presença do Presidente da República.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alterações Climáticas

O tempo está esquisito /premium

Alberto Gonçalves
1.371

De proibições está a História cheia, e seria expectável que os avanços científicos, que as sofreram, contribuíssem para um clima de liberdade. Ironicamente, se a ciência é isto, a ciência enganou-nos.

Alterações Climáticas

O erro da Universidade do Porto

João L. Monteiro
679

Até prova em contrário, o consenso é de que há alterações climáticas com uma causa associada às actividades humanas, entre outros fatores, ao contrário da ideia que este evento pretende fazer passar.

caderno de apontamentos

Os milagres da Educação /premium

Fernando Egidio Reis

Ouve-se que os professores são tradicionais, do século XIX. É o mesmo que dizer que temos feito tudo mal. Que outra profissão especializada admitiria este tipo de abordagem e de desconsideração?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)