Papa Francisco

Papa aceita renúncia de arcebispo de Santiago do Chile acusado de ocultar abusos

Ao contrário do que terá acontecido com o cardeal francês Barbarin, o papa aceitou a renúncia do arcebispo Ricardo Ezzati, acusado de encobrir abusos sexuais na igreja.

O arcebispo de Santiago do Chile, Ricardo Ezzati

Alberto Valdes/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O papa Francisco aceitou a renúncia do arcebispo de Santiago do Chile, Ricardo Ezzati, acusado no seu país por alegado encobrimento de casos de abuso sexual.

O Vaticano divulgou este sábado que o pontífice aceitou a renúncia apresentada pelo cardeal, embora sem indicar mais detalhes.

No lugar do cardeal Ezzati, Francisco nomeou Celestino Años Braco, até então bispo de Copiapó, como administrador apostólico até haver um novo arcebispo.

O cardeal Ricardo Ezzati é suspeito de encobrir, durante anos, abusos sexuais cometidos por sacerdotes da Igreja Católica chilena.

Esta terça-feira, foi noticiado que o papa recusou a demissão do cardel francês Philipe Barbarin. Apesar de Barbarin ter sido o primeiro cardeal condenado em França por não denunciar abusos sexuais de um padre — a pena foi de seis meses de prisão com pena suspensa –, Francisco invocou a “presunção de inocência” para recusar a demissão. O cardeal, no entanto, irá afastar-se pelo menos temporariamente.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)