O papa Francisco aceitou a renúncia do arcebispo de Santiago do Chile, Ricardo Ezzati, acusado no seu país por alegado encobrimento de casos de abuso sexual.

O Vaticano divulgou este sábado que o pontífice aceitou a renúncia apresentada pelo cardeal, embora sem indicar mais detalhes.

No lugar do cardeal Ezzati, Francisco nomeou Celestino Años Braco, até então bispo de Copiapó, como administrador apostólico até haver um novo arcebispo.

O cardeal Ricardo Ezzati é suspeito de encobrir, durante anos, abusos sexuais cometidos por sacerdotes da Igreja Católica chilena.

Esta terça-feira, foi noticiado que o papa recusou a demissão do cardel francês Philipe Barbarin. Apesar de Barbarin ter sido o primeiro cardeal condenado em França por não denunciar abusos sexuais de um padre — a pena foi de seis meses de prisão com pena suspensa –, Francisco invocou a “presunção de inocência” para recusar a demissão. O cardeal, no entanto, irá afastar-se pelo menos temporariamente.

Papa recusa demissão de cardeal francês que não denunciou abusos sexuais