Rádio Observador

Brexit

Brexit. Segundo referendo merece ser considerado, defende ministro britânico

159

Philip Hammond, secretário do Tesouro, considera que um segundo referendo é uma proposta "coerente" que merece ser considerada. Brexit volta a ser debatido no Parlamento esta segunda-feira.

No sábado passado, milhares de pessoas saíram à rua para pedir um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia

AFP/Getty Images

“Não tenho certeza se haverá maioria no Parlamento para sustentar um segundo referendo, mas é uma proposta perfeitamente coerente.” As declarações são de Philip Hammond, ministro do governo de May, e o primeiro a assumir de forma clara que um segundo referendo sobre o Brexit é uma opção. O secretário do Tesouro — que transitou do governo de David Cameron para o de Theresa May e é membro do parlamento desde os anos 1990 — lembra que há muitas pessoas que se opõem fortemente a esta ideia, mas diz, citado pela CNN, que “é uma proposta coerente e que merece ser considerada juntamente com todas as outras propostas”.

À medida que a especulação cresce sobre um possível afastamento de May, embora os seus dois potenciais sucessores tenham afastado essa hipótese, e depois de no sábado milhares de pessoas terem saído à rua para pedir um segundo referendo, Philip Hammond distancia-se, com estas palavras, da posição da primeira-ministra britânica que se recusa a ponderar a hipótese de voltar a ouvir a opinião dos eleitores sobre a saída do Reino Unido da União Europeia.

Em contrapartida, Michael Gove e David Lidington, os dois membros do governo apontados como possíveis sucessores da primeira-ministra, garantem que não está na altura de substituir May.

O secretário do Tesouro, segundo a CNN, confirmou que o Parlamento irá votar uma série de alternativas ao Brexit esta semana, assumindo que é pouco provável que May consiga fazer passar o seu acordo de saída, chumbado por duas vezes com margens consideráveis. Uma reunião de May com defensores do Brexit este domingo à noite terá terminado sem o apoio suficiente para fazer passar o acordo no Parlamento.

É já esta segunda-feira que o parlamento britânico volta a debater o Brexit, podendo vir a forçar a discussão de alternativas ao acordo de May. A emenda subscrita pelos conservadores Oliver Letwin e Dominic Grieve e pelo trabalhista Hilary Benn pretende retirar ao governo a precedência no estabelecimento da agenda de trabalhos na Câmara dos Comuns, “dada a necessidade de a Câmara debater e votar caminhos alternativos”.

Caberia assim aos deputados apresentarem uma série de propostas, as quais serão debatidas e votadas consecutivamente para saber se existe alguma que reúna o apoio de uma maioria de deputados.

Golpe em curso? Potenciais sucessores dizem que não

No passado domingo, o Sunday Times falava num “golpe no conselho de ministros para derrubar Theresa May” e substitui-la por um primeiro-ministro interino. O jornal britânico escrevia que May está “à mercê” de um golpe, com vários ministros a fazerem pressão para que abandone o cargo, já que é vista como uma figura “tóxica” e que terá de ser substituída.

A questão é saber por quem: uma hipótese é o adjunto de May, David Lidington, mas esse nome não convence os ministros mais empenhados em sair da União Europeia, que preferem o nome do secretário do Ambiente, Michael Gove.

Acontece que tanto Gove como Lidington dizem apoiar a primeira-ministra britânica e que não está na hora de fazer mudanças na liderança do governo.

“Não está na hora de mudar o capitão do navio”, disse o secretário do Ambiente, Michael Gove, quando confrontado por jornalistas. Já David Lidington, citado pela BBC, disse estar “100%” com Theresa May.

Por outro lado, no domingo à noite, May reuniu-se com Boris Johnson e outros proeminentes defensores do Brexit para perceber até que ponto tem apoio para voltar a apresentar, pela terceira vez, o seu acordo e conseguir aprová-lo no Parlamento.

Segundo o The Guardian, não houve avanços significativos na reunião onde também estiveram presentes Jacob Rees-Mogg, Iain Duncan Smith e Dominic Raab e onde foi feita uma sugestão a May: se a primeira-ministra quer ver o seu acordo aprovado, terá de deixar claro quando tenciona abandonar o número 10 de Downing Street para que outro primeiro-ministro possa liderar a próxima fase de negociações comerciais com a União Europeia.

Segundo o jornal britânico, May não respondeu a esta provocação.

Também nas ruas cresce a contestação à primeira-ministra. No sábado passado, milhares de pessoas saíram à rua para pedir um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia. Segundo Mariella Frostrup e Richard Bacon, os dois organizadores da manifestação, o número de participantes ultrapassou o milhão de pessoas. A informação foi dada ao público quando os organizadores subiram a um palco para um discurso em Parliament Square. De acordo com o The Guardian, alguns dos manifestantes têm mais de 90 anos e saíram às ruas em protesto pela primeira vez na vida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)