Brexit

‘Brexit’: Deputados insistem na realização de votos a alternativas ao Acordo de Saída chumbado

O parlamento volta a debater na segunda-feira o processo da saída do Reino Unido da UE e poderá forçar a discussão já na quarta-feira de alternativas ao Acordo negociado pelo governo com Bruxelas.

PATRICK SEEGER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O parlamento volta a debater na segunda-feira o processo da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) e poderá forçar a discussão já na quarta-feira de alternativas ao Acordo negociado pelo governo com Bruxelas e chumbado duas vezes.

O plano está numa proposta de alteração à moção apresentada pelo governo na sequência da reprovação do Acordo de Saída a 12 de março por uma margem de 149 votos, e que vai ser debatida segunda-feira na Câmara dos Comuns.

A emenda subscrita pelos conservadores Oliver Letwin e Dominic Grieve e pelo trabalhista Hilary Benn pretende retirar ao governo a precedência no estabelecimento da agenda de trabalhos na Câmara dos Comuns na quarta-feira, “dada a necessidade de a Câmara debater e votar caminhos alternativos”.

O plano prevê que os deputados apresentem uma série de propostas com alternativas, as quais serão debatidas e votadas consecutivamente para saber se existe alguma que reúna o apoio de uma maioria de deputados.

Esta ideia de “votos indicativos” já tinha sido sugerida e rejeitada antes, mas o impasse no parlamento relativamente ao ‘Brexit’ poderá permitir que seja validada desta vez.

O ministro do Gabinete, David Lidington, sugeriu que o governo poderia “tentar encontrar um processo que permita ao parlamento encontrar a sua maioria”, o que poderá fazer para não perder o controlo sobre o ‘Brexit’.

O partido Trabalhista também apresentou uma emenda semelhante, exortando o governo a dar tempo durante esta semana para discutir alternativas ao Acordo de Saída, nomeadamente o plano do ‘Labour’ para uma união aduaneira permanente com a UE, a que chama “Mercado Comum 2.0”, o qual seria confirmado por um novo referendo.

Os Liberais Democratas apresentaram uma emenda para o governo para adiar o ‘Brexit’ por mais dois anos para ser realizado um novo referendo, enquanto que deputados do partido Conservador e do Partido Democrata Unionista (DUP, na sigla em inglês), da Irlanda do Norte, defendem, numa proposta de alteração, que o governo reafirme a intenção de sair da UE.

Existem ainda outros propostas para forçar o governo a apresentar os planos caso não o parlamento não consiga aprovar um acordo de saída antes de 12 de abril, nova data determinada pela União Europeia para o ‘Brexit’.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, pretendia submeter o Acordo de Saída a um terceiro voto no parlamento, mas a realização está em suspenso devido à falta de apoio do DUP e dos conservadores eurocéticos.

Hoje, May vai receber na residência de campo, o palácio de Chequers, o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros Boris Johnson e os eurocéticos Jacob Rees-Mogg, Dominic Raab e Iain Duncan Smith.

O desagrado dentro do governo e do partido Conservador com May continua a crescer, segundo a imprensa britânica, que dá conta de várias conspirações para a afastar do cargo.

O Sunday Times noticiou hoje que David Lidington, um pró-europeu, poderia assumir interinamente as funções, enquanto o Mail on Sunday afirma que o ministro do Ambiente, Michael Gove, é a “escolha de consenso” dos membros do governo adeptos do ‘Brexit’.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

A tragicomédia do Brexit /premium

Manuel Villaverde Cabral

É devido às razões de fundo da construção europeia, iniciada e discutida em profundidade há mais de 60 anos, que a União Europeia não podia em caso algum facilitar a saída do Reino Unido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)