Futebol Americano

O adeus de Gronk, a alma da fiesta dos Patriots que teve um casamento perfeito com Tom Brady

Ao longo de nove anos nos New England Patriots, Rob Gronkowski somou números que o tornam o melhor tight end da história da NFL. Aos 29 anos e com fama de party boy, decidiu terminar a carreira.

O atleta de 29 anos decidiu terminar a carreira depois de um ano marcado por várias lesões

Getty Images

No início da carreira, acabado de chegar à NFL e aos New England Patriots, Rob Gronkowski foi questionado por uma jornalista se iria festejar a vitória que tinha conquistado instantes antes dentro de campo. O jogador de futebol americano, com o entusiasmo e a jovialidade natural de quem acabou de ser o responsável pela vitória da própria equipa com apenas 20 anos, sorriu e atirou: “Yo soy fiesta!”. A exclamação, agora com quase 10 dez anos, viria a tornar-se o eixo sobre o qual girou a carreira de Gronkowski. Este domingo, depois de nove temporadas na NFL e três Super Bowl no palmarés, anunciou que vai deixar de jogar. A menos de dois meses de completar 30 anos, o norte-americano dos subúrbios de Buffalo despede-se do futebol americano, dos Patriots e de (quase) tudo aquilo que o tornou um dos atletas mais populares dos Estados Unidos.

Um olhar mais aproximado permite perceber que Gronkowski decidiu reformar-se depois de apenas nove anos de carreira: o que, comparado com os 19 anos de atividade do companheiro de equipa Tom Brady, se torna ligeiramente estranho. Mas a estranheza transforma-se em compreensão quando dada a devida atenção às declarações do atleta antes do último Super Bowl, que os Patriots acabaram por vencer ao bater os LA Rams. Com um pouco habitual semblante carregado, Gronkowski falou pela primeira vez sobre o lado negativo da profissão e abriu espaço para os rumores de fim de carreira, que acabaram por ser confirmados este domingo.

“Tanto podes estar em cima como podes estar em baixo. Podemos mesmo ser atingidos a sério. Para dizer a verdade: tentem imaginar o que é ser atingidos a toda a hora e tentar estar sempre onde querem estar, todos os dias da vossa vida. É difícil, é duro. Ser atingido nas coxas, ser atingido na cabeça. O vosso cérebro não quer que o vosso corpo seja abusado. Quando o vosso corpo é abusado, isso atira o vosso espírito para baixo. É preciso lidar com isso ao longo da temporada. É preciso lidar com isso nos jogos”, disse o norte-americano aos jornalistas. Depois de uma temporada castigada por lesões mas que terminou com a conquista do terceiro Super Bowl com a equipa de sempre, o rapaz rebelde que os Estados Unidos adoram criticar decidiu aproveitar a fiesta enquanto ainda tem forças para isso.

O “spike”, a celebração que se tornou uma imagem de marca de Gronkowski

Gronk, como é normalmente chamado pelos colegas e pela comunicação social, despede-se da NFL enquanto melhor tight end de todos os tempos. À enorme reputação dentro de campo, o atleta acrescentou a fama de party boy, de homem adulto que continuava com a mentalidade de um rapaz de uma fraternidade universitária. As fotografias com estrelas da indústria pornográfica, as histórias de noites de discotecas e bebida, o sorriso e a gargalhada com que se apresentava sem qualquer ressalva, tornaram-no uma celebridade: não só um atleta, mas uma celebridade. O facto de nunca deixar que a persona high profile que vivia nas horas livres afetasse a prestação ao serviço dos Patriots fez dele o favorito dos fãs, uma espécie de Tom Brady mais novo, solteiro e com mais histórias para contar.

Reinventou o spike — a celebração depois de um touchdown em que o jogador que recebe a bola a atira contra o chão — e rebatizou-o como Gronk Spike, tornando novamente aceitável algo que tinha ficado fora de moda. Com 1,98 metros e 122 quilos, apresentava uma destreza que foi comparada frequentemente à de Shaquille O’Neal na NBA: num texto publicado em dezembro de 2016 no The Players’ Tribune, Von Miller, jogador dos Denver Broncos, elegia Gronkoswki como o melhor tight end que já tinha enfrentado e garantia que “a NFL nunca tinha visto algo assim, com esta combinação de tamanho, velocidade e mãos”. Gronk foi durante nove anos a segunda metade de um casamento perfeito com Tom Brady que garantiu três Super Bowl e era normalmente apelidado de “o outro GOAT”, em referência ao acrónimo greatest of all time, o melhor de todos os tempos, rótulo habitualmente dado ao quarterback de 41 anos.

Gronkowski formou uma parceria de sucesso com Tom Brady ao longo de nove anos nos Patriots

No Instagram, onde anunciou que iria terminar a carreira, Rob Gronkowski agradeceu aos New England Patriots a decisão de contratar a sua “tolice” em 2010 e deixou claro que ainda não sabe qual será o próximo passo. “As minhas experiências ao longo dos últimos nove anos têm sido fantásticas tanto dentro como fora de campo. As pessoas que conheci, as relações que construí, os Campeonatos de que fiz parte […] Obrigada a toda a gente por aceitarem quem eu sou e a dedicação que coloquei no meu trabalho para me tornar o melhor jogador que poderia ser. Mas agora é tempo de seguir em frente com um grande sorriso […] Um brinde a todos aqueles que foram parte desta viagem, um brinde ao passado pelas memórias inacreditáveis e um ENORME brinde à incerteza do que vem a seguir”, acrescentou o atleta, que tem sido frequentemente ligado a um contrato com a WWE, a empresa que gere as competições de wrestling nos Estados Unidos, por ser amigo próximo de vários lutadores e já ter aparecido em episódios da franquia.

View this post on Instagram

It all started at 20 years old on stage at the NFL draft when my dream came true, and now here I am about to turn 30 in a few months with a decision I feel is the biggest of my life so far. I will be retiring from the game of football today. I am so grateful for the opportunity that Mr. Kraft and Coach Belichick gave to me when drafting my silliness in 2010. My life experiences over the last 9 years have been amazing both on and off the field. The people I have meet, the relationships I have built, the championships I have been apart of, I just want to thank the whole New England Patriots organization for every opportunity I have been giving and learning the great values of life that I can apply to mine. Thank you to all of Pats Nation around the world for the incredible support since I have been apart of this 1st class organization. Thank you for everyone accepting who I am and the dedication I have put into my work to be the best player I could be. But now its time to move forward and move forward with a big smile knowing that the New England Patriots Organization, Pats Nation, and all my fans will be truly a big part of my heart for rest of my life. It was truly an incredible honor to play for such a great established organization and able to come in to continue and contribute to keep building success. To all my current and past teammates, thank you for making each team every year special to be apart of. I will truly miss you guys. Cheers to all who have been part of this journey, cheers to the past for the incredible memories, and a HUGE cheers to the uncertain of whats next.

A post shared by Rob Gronkowski (@gronk) on

Gronk despede-se da NFL com 521 passes, 7.861 jardas e 79 touchdowns em 115 jogos de 2010 a 2019. Mais do que isso, o tight end dos Patriots despede-se do futebol americano enquanto um dos melhores de sempre na sua posição e uma figura que a história do clube não mais esquecerá. O futuro, esse, estará assegurado entre o wrestling, as séries e os filmes em que já foi fazendo participações especiais nos últimos anos e os milhões que amealhou ao longo dos anos, já que garantiu há uns meses que o dinheiro que gasta no dia-a-dia vem dos contratos publicitários e nunca tocou nos salários do futebol americano. Aos 29 anos, Gronk está livre para continuar a ser fiesta.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)