Rádio Observador

Lamborghini

Lamborghini com caixa manual? É para esquecer

Há condutores que trocam de bom grado a comodidade de uma transmissão automática pelo prazer de trocar relações numa caixa manual. Mas, para a Lamborghini, esse é um “luxo” que nem vale a pena cobrar.

Aventador SVJ Roadster, uma "máquina" que extrai 770 cv do V12 e supera os 350 km/h. Limitado a 800 unidades, seria financeiramente desinteressante para a Lamborghini propor esta ou qualquer outra variante com uma transmissão manual

WOLFANGO

Embalado pelo facto de estar à frente de uma marca de superdesportivos que registou, em 2018, o seu 8º ano consecutivo de crescimento nas vendas, com 5.750 unidades entregues a clientes”, o CEO da Lamborghini não se tem inibido de partilhar com os meios de comunicação social a sua visão do futuro. Quer em relação à marca que dirige, em particular, quer no que toca às tendências da indústria automóvel, em geral.

Em resultado dessa “abertura”, Stefano Domenicali primeiro confessou à Autocar que a Lamborghini está a planear um quarto modelo para completar a sua gama. O projecto ainda não terá recebido luz verde, mas sabe-se já que está na calha um grand tourer com uma configuração 2+2, para se juntar à família actualmente composta pelo Urus, Aventador e Huracán.

E, agora, o responsável máximo da marca italiana do Grupo Volkswagen explicou à Motor Trend por que razão os clientes mais fiéis da marca devem ir-se habituando à ideia de que não há, nem haverá, uma caixa manual ao serviço dos possantes V8, V10 e V12 que se encontram sob o capot. E a explicação é muito simples: se a Lamborghini oferecesse essa alternativa, estaria a abrir caminho para um negócio ruinoso.

Segundo Domenicali, o Aventador e o Huracán não oferecerem qualquer versão com caixa manual, porque isso acarretaria pesados custos de desenvolvimento. O que significa que, por um lado, não há de momento no banco de órgãos do Grupo Volkswagen nenhuma transmissão manual à altura das aspirações da Lamborghini e, por outro, que o conglomerado germânico não estará na disposição de fazer tamanho investimento.

De acordo com as declarações do CEO da Lamborghini à Motor Trend, as contas são fáceis de fazer: mesmo que a marca fizesse uma edição limitada do Aventador com apenas 200 exemplares, todos eles equipados com caixa manual e cobrasse por esse “extra” mais 25 mil dólares (cerca de 22.200€) sobre o preço da unidade, o fabricante encaixaria um adicional de 5 milhões de dólares (cerca de 4,4 milhões de euros). Porém, ainda assim, estaria a expor-se ao prejuízo, na medida em que converter a transmissão automática de sete velocidades numa caixa manual, ou conceber uma transmissão manual de raiz, custaria largamente mais que esses tais 5 milhões.

Quanto ao Huracán, a justificação apresentada por Domenicali é outra, embora vá dar ao mesmo. Sendo o desportivo italiano baseado no Audi R8, tal como o seu antecessor (Gallardo), a Lamborghini poderia dar uso à caixa manual da marca dos quatro anéis. Contudo, isso implicaria reactivar a linha de produção para fabricar poucas unidades. E esse é um luxo ao qual a Lamborghini não se pode dar, por mais que os clientes queiram (e ela própria também não se importasse).

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)