Crime Informático

Crimes informáticos diminuíram e reverteram tendência desde 2014

Os crimes informáticos sofreram uma ligeira diminuição de 5,3% no ano passado, revertendo a tendência registada desde 2014. Os dados foram divulgados pelo Relatório Anual de Segurança Interna.

O documento, entregue esta sexta-feira no parlamento, indica que foram praticados menos 52 cibercrimes e que essa redução se deveu a menos acessos ilegítimos e sabotagem

SASCHA STEINBACH/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os crimes informáticos sofreram uma ligeira diminuição de 5,3% no ano passado, revertendo a tendência registada desde 2014, continuando a ser o acesso ilegítimo, sabotagem e falsidade os mais praticados, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI). O documento, entregue esta sexta-feira no parlamento, indica que foram praticados menos 52 cibercrimes e que essa redução se deveu a menos acessos ilegítimos e sabotagem

Na criminalidade informática investigada, o destaque vai para a constituição de 398 arguidos, dos quais resultaram 52 detenções. Foi aplicada a prisão preventiva a 14 suspeitos. A burla informática e nas comunicações foi o crime que levou à constituição do maior número de arguidos, apesar de se ter registado uma diminuição (de 367 em 2017 para 296 no ano passado) e à detenção de 46 pessoas, seguido pelo acesso ilegítimo ou indevido (de 43 em 2017 para 52 em 2018), pelo qual foram detidas cinco pessoas.

O relatório adianta que o crime ciberdependente tem mantido os valores estáveis, embora se prevejam alterações no ‘modus operandi’, nomeadamente uma “diminuição acentuada” do ‘phishing’ bancário com recurso a ‘sites’ falsos e a sua substituição por ‘malware’ bancário. Neste capítulo aumentaram as fraudes com recurso à engenharia social dirigidas a empresas e “os grupos mais relevantes a atuar em Portugal têm origem no Brasil e no subcontinente indiano”.

Em relação à exploração sexual de menores ‘online’, os dados do RASI indicam que houve uma diminuição e que as situações identificadas são praticadas por “indivíduos isolados portugueses ou vivendo em Portugal”. Quanto à forma como o crime é praticado, continua a prevalecer a distribuição de pornografia em canais de comunicação como youtube, Facebook, Google drive e instagram.

Contudo, registou-se no ano passado um acentuado aumento da utilização criminal de plataformas como Whatsapp e telegram. Na tipologia do crime instrumental, no qual se enquadra o crime organizado em que é utilizada tecnologia informática como ‘sextortion’ e incitação ao suicídio (fenómeno baleia azul), os dados apontam para uma diminuição.

Quando ao branqueamento de capitais provenientes do cibercrime constatou-se que Portugal “poderá estar permeável a fluxos ilícitos de capitais”, refere o documento, salientando que a criação de empresas sem grandes formalidades também poderá ser um atrativo. “A ineficácia da prossecução penal ao branqueamento associado ao cibercrime constitui uma fragilidade”, assume-se no RASI.

Em 2018 foi aprovado o regime jurídico da segurança do ciberespaço e a equipa de resposta a incidentes de segurança informática recebeu e processou 2456 notificação, das quais 629 (cerca 25,6%) resultaram na abertura de incidentes resolvidos com sucesso. Destes, 18,4% afetaram, direta ou indiretamente, entidades do Estado.

O relatório dá conta de uma diminuição de 8,6% da criminalidade violenta e grave no ano passado, em relação a 2017, e de uma descida de 2,6% dos crimes gerais, apesar de se ter registado um aumento de 34,1% dos homicídios e de 46,4% dos crimes de extorsão.

Os crimes que contribuíram para a diminuição da criminalidade violenta e grave no ano passado foram o roubo por esticão, que desceu 18,6%, o roubo na via pública sem ser por esticão, que baixou 9,4%, menos 552.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crime Informático

Quem tem medo de Rui Pinto? /premium

Filomena Martins
1.054

Desconfio que além do futebol, haja muitos poderosos que temam as revelações em seu poder. Fico mais descansada por saber que o seu acervo foi gravado por outros países e não pode ser destruído.

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)