Rádio Observador

Viral

O mistério dos Garfield que deram à costa de França foi finalmente resolvido

Há 35 anos que os telefones amarelos com a forma do famoso gato, ou o que deles resta, vão aparecendo nas praias da Bretanha. A explicação para o estranho fenómeno pode ter chegado por fim.

© Ar Viltansoù

Há mais de 30 anos que a história se repetia, mas o mistério pode, por ter fim, estar resolvido. As praias da Bretanha e os habitantes locais habituaram-se a avistar fragmentos de um popular objeto que marcou a década de 80, o telefone em forma de Garfield, parente próximo de outras variações do género, como o telefone em forma de hambúrguer. Ano após ano, o célebre e rezingão gato laranja que adorava lasanha foi fazendo as suas aparições nos areais do noroeste de França, sem que fosse conhecida a origem do fenómeno.

Foi depois de assistir a toda a cobertura mediática que René Morgan decidiu contactar os membros do associação ambiental sem fins lucrativos Ar Viltansoù, sinalizando a eventual origem desta tendência. Recordou-se de uma enorme tempestade que se terá abatido sobre a zona na década de 80, quando o homem estaria na casa dos 20 anos, e remontará a essa altura a descoberta de uma gruta onde terá ficado preso um velho contentor cheio de telefones destes — o acesso à caverna está normalmente condicionado pela maré tornando-se apenas possível alcançá-la poucos dias por ano.

Tudo indica que se tratem dos artigos produzidos pela Tyco e que encantaram adolescentes há mais de três décadas.

O achado foi descrito por Morvan à France Info, que acompanhou em vídeo este processo recente de identificação . “Encontrámos um contentor que se encontrava preso num baixio; estava aberto, muita coisa tinha desaparecido, mas ainda havia um stock de telefones. Na altura, chegava-nos muita coisa que se tinha perdido no mar”. Foi apenas no mês passado que o morador guiou elementos da Ar Vilantsou em busca dos últimos destroços. Encontraram restos dos referidos gatos, junto com uma misturada de fios, plástico e componentes de metal.

Da Nova Zelândia aos EUA, a descoberta correu o mundo. E não é por acaso. Aquilo que não passaria de uma breve história para a categoria de trivia, leva-nos a refletir mais uma vez sobre a longevidade de um material como o plástico. Se o objeto em causa é um exemplar tão pitoresco quando kitsh, a verdade é que os inúmeros gatos não deixam de ser um símbolo da poluição dos oceanos, motivo de sobra para recordar números negros e reforçar alertas. Só entre 2008 e 2016, cerca de 1500 encomendas perderam-se algures no mar enquanto eram transportadas, percalços com impacto direto no ecossistema. Escusado será dizer que o grupo de voluntários continuará a limpar o lixo provocado (involuntariamente) pelo célebre felino.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mrsilva@observador.pt
Relações

Cuidem dos seus relacionamentos /premium

Ruth Manus

Ao passar ao lado do outro, faça um carinho qualquer. Pegue na mão, toque no ombro, dê um beijo na testa. Mostre que a presença do outro faz diferença. Um cafuné de vez em quando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)