O Ministério Público (MP) de Tóquio informou esta quinta-feira que a última detenção do ex-presidente da Nissan justifica-se pela suspeita de que Carlos Ghosn desviou cinco milhões de dólares (4,4 milhões de euros).

Os procuradores do MP adiantaram que o dinheiro terá sido desviado de uma subsidiária da Nissan para uma concessionária fora do Japão.

A detenção aconteceu pouco mais de um mês depois de Ghosn ser libertado sob fiança quando se encontrava sob custódia das autoridades, suspeito de má conduta financeira enquanto liderava a fabricante japonesa. Esta quinta-feira, Ghosn voltou a garantir que está inocente.

Ex-líder da Nissan/Renault diz-se “inocente” das acusações de fraude fiscal e promete defender-se com vigor

Os procuradores acreditam que o dinheiro desviado terá ido para uma empresa que Ghosn praticamente administrou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/nissan/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”696″ slug=”nissan” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/nissan/thumbnail?version=1554219613066&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

O comunicado divulgado esta quinta-feira não mencionou Omã, mas uma investigação anterior da parceira francesa da Nissan Motor Co., da Renault, centrou-se em pagamentos realizados a uma concessionária naquele país, sendo que se suspeita que parte do dinheiro foi canalizado para uso pessoal de Ghosn.