Man Booker Prize

Man Booker Prize International. Polaca Olga Tokarczuk volta a estar entre os finalistas

A escritora polaca foi novamente escolhida para integrar a lista de seis finalistas do Man Booker Prize International. "Shortlist" do prémio de ficção traduzida foi revelada esta terça-feira.

Olga Tokarczuk venceu o Man Booker Prize em 2019 com o romance "Flighs", recentemente publicado em Portugal

Getty Images

A polaca Olga Tokarczuk, vencedora do Man Booker Prize International em 2018, volta a estar entre os finalistas do prémio de ficção traduzida para o inglês. A shortlist do galardão foi anunciada ao final da tarde desta terça-feira, a partir da Somerset House, em Londres, pela presidente do júri deste ano, a historiadora inglesa Bettany Hughes.

Entre os candidatos a receber o Man Booker International em 2019 con ta-se o colombiano Juan Gabriel Vásquez, vencedor do Prémio Casino da Póvoa no ano passado, e a chilena Alia Trabucco Zeran, com a editora independente Fitzcarraldo Editions a liderar as nomeações. Caso Tokarczuk volte a receber o galardão, esta será a segunda vitória consecutiva para a Fitzcarraldo. Para trás ficaram autores como a chinesa Can Xue, o sul-coreano Hwang Sok-yong ou a argentina Samanta Schwebli. A primeira longlist foi conhecida no mês passado, no dia 13 de março.

Pouco antes de revelar os finalistas deste ano, Bettany Hughes lembrou que a longlist, que foi dada a conhecer no mês passado, tinha causado grande surpresa e que o mesmo podia acontecer com a shortlist, composta por seis romances muito fortes, que fizeram os jurados “falar, pensar e sentir”. São livros que, nas palavras da presidente do júri de 2019, “subvertem e apoiam essa colisão bonita e estranha entre a experiência e a imaginação chamada escrita”.

Num vídeo partilhado com a assistência na Somerset House e depois divulgado nas redes sociais, os restantes membros do júri apontaram a qualidade dos romances selecionados. O escritor Pankaj Mishra descreveu a shortlist como “absolutamente brilhante, diversa, intelectualmente e moralmente ambiciosa”. Já o também escritor Elnathan John apontou a qualidade das traduções — também premiadas por este galardão — e a sua capacidade de transportarem “sentimentos, emoções, histórias largas, relações largas e universos completos para a língua inglesa”.

Além de Bettany Hughes (presidente), Pankaj Mishra e Elnathan John, o painel de jurados deste ano é composto por Maureen Freely e Angie Hobbs.

A shortlist do Man Booker International anunciada esta terça-feira é a seguinte:

  1. Celestial Bodies, de Jokha Alharthi (Omã). Traduzido por Marilyn Booth (Sandstone Press);
  2. The Years, de Annie Ernau (França). Traduzido por Alison L. Strayer (Fitzcarraldo Editions);
  3. The Pine Islands, de Marion Poschmann (Alemanha). Traduzido por Jen Calleja (Serpent’s Tail);
  4. Drive Your Plow Over The Bones Of The Dead, de Olga Tokarczuk (Polónia). Traduzido por Antonia Lloyd-Jones (Fitzcarraldo Editions);
  5. The Shape Of The Ruins, de Juan Gabriel Vásquez (Colômbia). Traduzido por Anne McLean (MacLehose Press);
  6. The Remainder, de Alia Trabucco Zeran (Chile). Traduzido por Sophie Hughes (And Other Stories).

O Man Booker Prize International, no valor de 58 mil euros, foi criado para para incentivar a publicação e a leitura de ficção de qualidade traduzida para língua inglesa. No ano passado, o prémio foi atribuído a Flights, de Olga Tokarczuk. A edição portuguesa do romance saiu no passado mês de março pela Cavalo de Ferro com o título Viagens. O vencedor de 2019 será anunciado a 21 de maio.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)