Rádio Observador

Genética

Nasceu um bebé com informação genética de 3 pessoas diferentes

9.135

Uma criança na Grécia nasceu com informação genética de três pessoas: duas mulheres e um homem. É o terceiro caso no mundo. A nova terapêutica evita a passagem de certas doenças para a nova geração.

Christopher Furlong/Getty Images

Um bebé de nacionalidade grega nasceu com informação genética de três pessoas diferentes. É apenas o terceiro caso reportado mundialmente. A criança é o resultado de uma nova forma de fertilização in vitro em que se combina a informação genética de dois óvulos de mulheres diferentes e se junta a célula resultante com o espermatozoide do progenitor. O procedimento é usado para evitar que os bebés desenvolvam doenças “programadas” na informação genética guardada nas mitocôndrias.

As mitocôndrias são peças que existem dentro de todas as células do corpo humano e que funcionam como pilhas, porque são elas as responsáveis por armazenar a energia. Ora, dentro das células há dois tipos de informação genética: a maior parte dela, 99%, está guardada no núcleo das células; e o restante está dentro dessas mitocôndrias. Acontece que toda a informação genética que temos dentro das mitocôndrias é-nos passada exclusivamente pela mãe. E é assim porque, no caso dos espermatozoides, elas ficam numa parte que por norma não fecunda o óvulo, sendo por isso desprezada.

Tal como o ADN presente no núcleo das células, também a informação genética das mitocôndrias pode trazer mutações que levem ao desenvolvimento de doenças. Era esse o caso desta criança grega: a mãe era portadora de uma mutação na informação genética das mitocôndrias que, se fosse transferida para os filhos, podia comprometer a saúde das crianças. Foi para evitar esse cenário que os pais decidiram entrar no teste da Embryotools, uma empresa espanhola, e dos médicos gregos.

A técnica chama-se “transferência pró-nuclear” e envolve a utilização dos óvulos de duas mulheres diferentes e o esperma de um homem. Os dois óvulos – da mãe e da dadora – são fertilizados pelos espermatozoides do pai. Antes ainda de se começarem a dividir em várias células para formar um embrião, o núcleo dos dois ovos fertilizados foram retirados. O núcleo do óvulo fecundado materno foi então transferido para o óvulo fecundado da dadora – que tinha mitocôndrias com informação genética saudável. O bebé começou a desenvolver-se com o código genético do pai, da mãe e com a informação genética mitocondrial da dadora, que era saudável e não continha mutações.

O bebé, gerado através desta “receita genética”, veio ao mundo na terça-feira com 2,9 quilogramas. A mãe, grega, tem 32 anos. São eles os protagonistas do terceiro teste bem sucedido com este procedimento — o primeiro aconteceu em 2016 no México e o segundo em 2017 na Ucrânia.

Por altura do primeiro caso, Teresa Almeida Santos, presidente da Sociedade Portuguesa das Ciências da Reprodução, explicou ao Observador que o facto de a criança ter informação genética de três pessoas não terá influência nas características que ela vai desenvolver. A molécula de ADN presente nas mitocôndrias é mais simples e mais pequena do que a cadeia genética presente no núcleo das células. Serve para sintetizar algumas proteínas necessárias à respiração celular, responsável por transformar as ligações químicas em energia.

As características físicas e psicológicas do indivíduo são sempre determinadas pelo ADN guardado no núcleo das células — ou seja, do pai e da mãe, nunca da dadora, que apenas ofereceu a “central de energia” do organismo do bebé.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)