Governo

Familygate provoca terceira demissão no Governo

2.798

Marido de secretária de Estado da Cultura pediu a demissão após o Observador ter noticiado a relação familiar. João Ruivo esteve 13 dias no cargo e é mais uma baixa no Governo do chamado Familygate.

João Ruivo foi nomeado a 28 de março por uma secretária de Estado que tomou posse na última remodelação governamental

Jorge Amaral / Global Imagens

Sobem para três as demissões no Governo e nos seus gabinetes na sequência do caso Familygate. Depois do afastamento do secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, e do seu adjunto e primo, Armindo Alves, agora foi a vez de o marido da secretária de Estado da Cultura, João Ruivo, ser exonerado da secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional.

O despacho publicado esta sexta-feira em Diário da República indica que o marido da secretária de Estado Ângela Ferreira tinha sido nomeado a 28 de março — precisamente o mesmo dia em que o Observador noticiou a sua nomeação — enquanto outro despacho, também publicado esta sexta-feira, aponta que foi exonerado a 10 de abril. O também vereador do PS na câmara de Cascais foi nomeado como técnico especialista pela secretária de Estado Maria do Céu Albuquerque menos de seis meses depois de a mulher ter tomado posse no Governo. Só esteve 13 dias no cargo. Cria, por isso, uma situação insólita: a nomeação e a exoneração ser publicada no mesmo dia em Diário da República.

O caso de João Ruivo foi noticiado pelo Observador a 28 de março de 2019 como mais um exemplo de um familiar de governante nomeado por um outro governante. O vereador da câmara de Cascais, sabe o Observador, pediu para ser demitido das funções para não prejudicar o trabalho da mulher como governante num outro ministério. O despacho de exoneração tem o jargão habitual nestes casos: “Exonerou, a seu pedido“. O Observador contactou João Ruivo, que chegou a pedir que o contacto fosse feito por mensagem, mas não respondeu às questões após ser informado sobre qual era o assunto.

João Ruivo é vereador sem pelouro da câmara de Cascais, eleito pelas listas do PS, desde 2017. Foto: Facebook de João Ruivo

O caso de João Ruivo e Ângela Ferreira não configura uma nomeação direta de um familiar (como aconteceu com Carlos Martins e Armindo Alves), mas sim de um secretário de Estado que nomeou o cônjuge de outro secretário de Estado, a chamada nomeação cruzada. A lei atual não impede estes casos e a que está a ser preparada na Assembleia da República (e já conhecida proposta do PS) também não impede, embora obrigue a sejam tornados públicos.

[Relações familiares no Governo. Viagem pelos elos de uma grande teia]

Quem é João Ruivo: da FNAC à frequência de três licenciaturas

A lei que estabelece a orgânica (decreto-Lei n.º 11/2012) dos gabinetes do Governo que os técnicos especialistas têm “funções de assessoria especializada” e que devem ser “preferencialmente detentores de relação jurídica de emprego público ou provenientes de entidades do sector público sob tutela ou superintendência do respetivo membro de Governo”. Neste caso, não se parece verificar nada disto.

A nível de habilitações académicas, o currículo de João Ruivo é escasso nesta (e noutras) áreas: “Desde 2018 inscrito na licenciatura Gestão Autárquica, Instituto Superior Educação e Ciências“; “frequência da licenciatura de Economia no ISEG em 2009“; e “frequência de licenciatura Informática de Gestão entre 1997 e 1999 na Universidade Moderna”.

Quanto à experiência profissional também não há nada que indique que é especialista na área do Desenvolvimento Regional.  De 2000 a 2004, João Ruivo foi chefe de secção na FNAC Portugal. De 2004 a 2006 foi gestor de conta na empresa de Distribuição e Logística para a Informática, DLI. Entre 2006 e 2007 foi diretor Departamento na empresa J.P. Sá Couto, S. A., a empresa que um ano depois começou a distribuir os mediáticos computadores Magalhães. De 2008 a 2012 foi “country manager” da empresa TOPCOM. Nesse ano, tornou-se gestor de Conta Sénior na empresa ADVEO, onde ficou até 2014. Sai então para diretorde departamento na empresa GTI Software & Networking, onde fica até 2018. Ou seja: o seu currículo é ligado a empresas de informática.

Do currículo de João Ruivo consta também a intervenção política e cívica, mas sem especial relação com a área para o qual foi nomeado. O marido da secretária de Estado é vereador sem pelouros da Câmara Municipal de Cascais desde 2017. É também desde 2009 vice-presidente da direção de Associação Familiar e Desportiva da Torre e entre 2011 e 2019 foi diretor executivo da Associação Humanitária dos Bombeiros de Alcabideche. Foi também membro da assembleia de freguesia de Cascais entre 2001 e 2005 e da assembleia de freguesia de Alcabideche entre 2005 e 2017

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado
311

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)