As forças armadas norte-americanas estão “em alerta” e a analisar várias hipóteses de intervenção enquanto esperam que Donald Trump tome uma decisão em relação à Venezuela, revelou Craig Faller, chefe do comando sul dos Estados Unidos da América.

Em entrevista ao jornal norte-americano Foreign Policy, o almirante recusou-se a discutir planos de uma eventual intervenção na Venezuela para derrubar Nicólas Maduro mas lembrou que a situação pode tornar-se muito semelhante à da Síria. “A crise na Venezuela pode atingir esse nível no final deste ano se Maduro continuar no poder. Isso é mau”, afirmou Faller.

Os Estados Unidos foram o primeiro país a reconhecer a legitimidade de Juan Guiadó, o autoproclamado presidente interino. Em fevereiro, o vice-presidente Mike Pence acusou Maduro de ser um “ditador” e um “usurpador”. “Ele não tem direito legítimo ao poder. Nícolas Maduro precisa de sair”, afirmou Pence que, esta semana, pediu às Nações Unidas que retire as credenciais aos representantes do governo de Maduro no organismo.

Na reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, Pence anunciou que os Estados Unidos estão a preparar uma resolução com esse objetivo e pediu o apoio dos membros, sublinhando que a Venezuela é, neste momento, “um Estado falido” e que Maduro “deve sair”.