Rádio Observador

Energia

Governo vai lançar oito novos concursos para exploração de lítio

515

Portugal "é o maior produtor europeu de lítio -- que é um dos materiais importantes para o fabrico de baterias", disse o ministro da Economia em Bruxelas à entrada para uma reunião

Pedro Siza Vieira disse que "património natural é um dos capitais mais importantes que o país tem e, portanto, a utilização dos recursos minerais deve sempre salvaguardar o respeito pelo meio ambiente".

MÁRIO CRUZ/LUSA

O Governo vai lançar, até final do ano, oito novos concursos para exploração de lítio em Portugal, garantindo que tais operações não põem em causa a saúde das populações daquelas zonas ou o meio ambiente.

“Lançámos uma estratégia para o lítio no ano passado e vamos lançar concursos de prospeção e pesquisa para oito reservas de lítio, além das que estão a ser exploradas”, disse o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira.

O governante, que falava aos jornalistas em Bruxelas, à entrada para uma reunião da Aliança Europeia para as Baterias, indicou que estes novos concursos dizem respeito a “todas as zonas que estão já identificadas como tendo reservas de lítio e deverão ser lançados durante o corrente ano”.

Segundo o responsável, “todas estas concessões terão de respeitar escrupulosamente as regras de impacte ambiental e as medidas de minimização e mitigação que venham a ser aprovadas”.

A procura mundial pelo lítio, usado na produção de baterias para automóveis e placas utilizadas no fabrico de eletrodomésticos, está a aumentar e Portugal é reconhecido como um dos países com reservas suficientes para uma exploração comercial economicamente viável.

Porém, algumas populações têm vindo a manifestar-se contra os impactos de tais explorações, nomeadamente no norte do país.

Pedro Siza Vieira afastou motivos para preocupação.

É importante que as populações participem também no processo, mas aquilo que temos de ter como segurança é que não há, na Europa e, particularmente, em Portugal, desrespeito quer pelas condições de saúde das populações quer pelo meio ambiente”, vincou.

O governante acrescentou que o “património natural é um dos capitais mais importantes que o país tem e, portanto, a utilização dos recursos minerais deve sempre salvaguardar o respeito pelo meio ambiente”.

Entre os objetivos do Governo está, além da extração, a “criação de condições para a refinação e processamento” de lítio, adiantou o ministro da Economia.

Pedro Siza Vieira está em Bruxelas a participar numa reunião da Aliança Europeia para as Baterias, um projeto que visa reduzir a dependência da União Europeia (UE) de outros mercados neste setor, tornando-a autónoma e líder neste tipo de produção.

De acordo com o governante, a contribuição de Portugal para este projeto europeu, que junta a Comissão Europeia, os Estados-membros e o setor privado, reflete-se na “capacidade de investigação e da engenharia portuguesa muito avançada nestas matérias”.

Acresce que Portugal “é o maior produtor europeu de lítio, que é um dos materiais importantes para o fabrico de baterias, particularmente para os automóveis elétricos”, apontou.

“Como grande produtor e com reservas por explorar, [o país] procurará assegurar que, além de usarmos melhor as nossas reservas de lítio, somos capazes de ter na Europa, de preferência em Portugal, capacidade de refinação e processamento de derivados de lítio que possam ser usados diretamente na produção de baterias”, concluiu o responsável.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)