As autoridades da Índia oriental retiraram cerca de 800 mil pessoas que vivem perto da área onde é esperado na sexta-feira o ciclone Fani, considerado “extremamente grave” — está classificado na categoria três de uma escala de que vai de um a cinco.

A Índia prepara-se assim para a entrada do ciclone mais forte a atingir o país desde há cinco anos. O Departamento Meteorológico da Índia indicou esta quinta-feira em comunicado que “é muito provável” que o Fani chegue a terra na sexta-feira perto da cidade de Puri em Odisha, com rajadas de vento que podem chegar aos 200 quilómetros por hora. O Fani está localizado na baía Bengal, a cerca de 270 quilómetro da costa do estado de Andhra Pradesh.

“Esperamos terminar hoje [quinta-feira] a importante tarefa de retirada de cerca de 800 mil pessoas que vivem perto da área que será atingida pelo ciclone”, disse Bishnupada Sethi, do serviço de emergência do estado costeiro de Odisha, no leste do país.

A mesma fonte adiantou que as autoridades enviaram equipas de resposta rápida das forças de resgate, bem como alertas meteorológicos aos moradores e pescadores da região.

Oficiais de Odisha fecharam escolas em todo o estado nesta quinta-feira e sexta-feira devido à tempestade. E segundo a Reuters, os turistas também foram aconselhados a deixar a cidade-templo costeira de Puri, um destino sagrado para os peregrinos hindus.

No dia 30 de abril, às 7h35 (hora de Lisboa), o instrumento AIRS, a bordo do satélite Aqua da NASA, analisou as altas temperaturas da nuvem do ciclone tropical Fani em luz infravermelha.

Segundo o CNN, o Fani intensificou-se significativamente nos últimos dois dias e pode ficar ainda mais forte junto à costa nas próximas 24 a 48 horas. Na quarta-feira, o ciclone tinha ventos de 195 quilómetros por hora, o que é equivalente, em intensidade, a um furacão de categoria 3 na escala de Saffir-Simpson.

Ventos acima dos 60 quilómetros por hora começam já a sentir-se nesta quinta-feira nos estados de Andhra Pradesh e Odisha.

Além dos ventos e da tempestade, as inundações também serão uma grande ameaça. Partes do leste da Índia e Bangladesh podem esperar de 150 a 300 mm de chuva com quantidades localmente maiores.

O ciclone vai-se movendo paralelamente à costa da Índia. Um ligeiro movimento para o leste ou oeste pode ter um impacto significativo no momento da chegada e na sua intensidade. Se isso acontecer, a tempestade provavelmente será uma categoria ou duas mais fraca.

No dia 30 de abril, às 7h40 (hora de Lisboa), o instrumento MODIS, a bordo do satélite Aqua da NASA, forneceu uma imagem visível do ciclone tropical Fani, no norte do Oceano Índico, mostrando fortes tempestades em torno do centro de circulação.

Em 1999 um super ciclone atingiu a costa de Odisha, na Índia, durante 30 horas e matou 10 mil pessoas. Em 2013, o ciclone Phailin levou à retirada em massa de quase um milhão de pessoas e salvou milhares de vidas.

A temporada de ciclones na Índia geralmente dura de abril a dezembro com tempestades severas que levam à deslocação de dezenas de milhares de pessoas, mortes generalizadas e danos a plantações e propriedades.