O Novo Banco é credor de quase metade dos mais de 230 milhões de euros que as empresas SAG e SIVA devem à banca, avança o Jornal de Negócios. As empresas de João Pereira Coutinho, que têm uma dívida agregada próxima de 600 milhões, vão ser vendidas à Porsche por um euro, num processo que envolve perdões de dívida por parte dos bancos.

Os números conhecidos sobre a exposição dos vários bancos a estas empresas surgem na edição desta sexta-feira do Jornal de Negócios. No caso da SAG, além dos 253,3 milhões de euros que os acionistas (detentores de títulos de dívida subordinada) aceitaram perdoar à empresa, o Novo Banco tinha créditos de 43,5 milhões, aceitando perdoar 5,3 milhões. Já o BCP aceitou perdoar 10 milhões e o BPI cerca de meio milhão de euros (a CGD tem créditos de 6 milhões, que ficam intactos).

Por outro lado, a SIVA, participada da SAG, tem uma dívida de 260 milhões de euros, com o Novo Banco a ser credor de mais de 66 milhões de euros dos 160 milhões que a importadora de veículos Volkswagen deve à banca. O acordo extrajudicial de recuperação da empresa prevê que a banca venha a perdoar pelo menos 100 milhões de euros mas não se sabe quanto é que cada banco irá aceitar perder.