Rádio Observador

Timor-Leste

Sociedade civil crucial para a consolidação da democracia timorense

O embaixador da UE em Díli frisou que ajudar o Estado a combater a má governação e corrupção "é tarefa de todos", sendo que os OCS e as organizações da sociedade civil têm um "papel essencial".

"Precisamos de melhorar a qualidade de intervenção e modernizar a intervenção da sociedade civil, mas garantir essa intervenção, por si, é indispensável para um desenvolvimento verdadeiramente inclusivo", afirmou Fidelis Magalhães

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Governo timorense e diplomatas europeus sublinharam esta terça-feira a importância da sociedade civil na consolidação da democracia em Timor-Leste, especialmente pela sua vertente de auditoria social e de fiscalização e monitorização das finanças públicas.

“Precisamos de melhorar a qualidade de intervenção e modernizar a intervenção da sociedade civil, mas garantir essa intervenção, por si, é indispensável para um desenvolvimento verdadeiramente inclusivo”, afirmou Fidelis Magalhães, ministro da Reforma Legislativa e Assuntos Parlamentares timorense.

Considerando a qualidade e dinamismo da sociedade “uma marca importante da democracia”, Magalhães disse que em Timor-Leste, apesar de o país ser novo, se tem preservado uma relação de proximidade entre as instituições e as organizações da sociedade civil.

Um trabalho que envolve o processo de auditoria social, no qual, disse, o Governo continua empenhado.

A discussão pública é a dicotomia entre qualidade da intervenção e o direito de intervir. Pessoalmente, para mim, é importante garantir o espaço e direito a intervir e só depois trabalhar na qualidade da intervenção”, afirmou.

Magalhães falava no encerramento de um seminário sobre a “sensibilização da sociedade civil para a supervisão das finanças públicas” em Díli, no final do qual foi assinado um memorando de entendimento entre o Camões – Instituto da Cooperação e a Língua e o Fórum das Organizações Não-Governamentais em Timor-Leste (FONGTIL) sobre esta matéria.

No encontro, o embaixador de Portugal em Díli, José Pedro Machado Vieira, sublinhou a importância do “estreitar de relações com as ONG”, entidades beneficiárias deste projeto e com as quais Portugal quer ter um relacionamento mais amplo.

Opinião ecoada por Gonçalo Teles Gomes, vice-presidente do Camões, que sublinhou ser “cada vez mais evidente a necessidade de organizações da sociedade civil controlarem, acompanharem e supervisionarem” as finanças públicas, denunciando casos de má gestão.

Um papel que assenta no diálogo entre as organizações da sociedade civil com as instituições públicas e do Estado, contribuindo tanto para a “definição de políticas públicas como o controlo do OGE”.

Daniel Santos do Carmo, diretor da FONGTIL, destacou o apoio que o Governo timorense tem dado ao processo de auditoria social, especialmente virado para quatro setores-chave: infraestruturas básicas, saúde, educação e agricultura.

Mais do que ser simplesmente “condenar ou ser oposição” às autoridades, disse o responsável da FONGTIL, as organizações podem ser um instrumento para “ajudar a melhorar e elevar a prestação de serviços, complementando a gestão dos orçamentos”.

Alexandre Leitão, embaixador da União Europeia em Díli, frisou que ajudar o Estado a combater a má governação e corrupção “é tarefa de todos”, sendo que os orgãos de comunicação social (OCS) e as organizações da sociedade civil têm um “papel essencial” nesse processo.

“Sem uma opinião pública educada, interessada e ativa, não há desenvolvimento para todos, nem sustentável”, afirmou.

As ONG, considerou, ajudam a levar as “expectativas dos cidadãos junto do poder público” mas podem e devem ajudar a “explicar que o poder público não tem capacidades ilimitadas” e a “dar a compreender melhor o papel do Estado”.

A corrupção é o pior inimigo do desenvolvimento sustentável e de todos e a transparência e informação são os maiores inimigos da corrupção”, disse.

“Quando apoiamos a capacitação dos OCS e das ONG para a importância da gestão pública transparente, assente no Estado de direito, estamos a apoiar o trabalho de instituições de supervisão (…) que têm um papel insubstituível na preservação da democracia, na credibilidade das instituições e na confiança dos cidadãos nos eleitos e nas instituições”, frisou.

O seminário e o memorando inserem-se no programa de parceria para a melhoria da prestação de serviços através do reforço da gestão e supervisão das finanças Públicas (PFMO), visando neste componente o apoio à ação da sociedade civil nesta matéria.

Organizado pelo Camões I.P. em coordenação com o FONGTIL, o seminário que teve cerca de 100 participantes, dirigiu-se aos pontos focais das ONG, FONGTIL, RENAS, Asia Foundation e ainda representantes da Unidade de Auditoria Social do gabinete do primeiro-ministro de Timor-Leste.

Discutir a função e o papel da Sociedade Civil na supervisão das finanças públicas em Timor-Leste e divulgar o PFMO junto das organizações da sociedade civil que trabalham na auditoria social em Timor-Leste fizeram parte dos objetivos do encontro.

O seminário quis ainda fazer um ponto da situação entre as várias organizações no âmbito do Plataforma de Auditoria Social.

Cofinanciado pela UE e implementado com o modelo de cooperação delegada pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, o projeto PFMO é um dos mais amplos programas de apoio institucional em Timor-Leste.

O projeto conta com um financiamento de 12 milhões de euros através do 11.º Fundo Europeu de Desenvolvimento e de cerca de 600 mil euros do Camões, e divide-se em dois componentes essenciais, nomeadamente o apoio orçamental ao Ministério das Finanças e o fortalecimento e capacitação institucional.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)