SIRESP

SIRESP. Satélite de comunicações poderá ser desligado por falta de pagamento do Estado

2.003

A uma semana do aumento do nível de perigo dos fogos, sabe-se que o satélite, crucial para as comunicações quando outras estações falham, pode ser desligado. O Estado não pagou 11 milhões.

Os equipamentos de redundância do SIRESP consistem na ativação de estações-base através de satélite quando há falha de outra estação

Os equipamentos de redundância do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal SA (SIRESP), com recurso a satélite, poderão ficar parados a partir dos próximos dias face a uma dívida de 11 milhões de euros do Estado à empresa que dura há quase um ano, avança o Jornal de Notícias. A informação chega a uma semana do aumento do nível de perigosidade dos fogos rurais e do estado de alerta da Proteção Civil, devido ao aumento das temperaturas.

Na dívida de 11 milhões estão incluídos nove milhões de euros investidos pela empresa em sistemas de redundância, oito rendas mensais completas de 200 mil euros cada e outras quatro rendas parciais relativas à manutenção das antenas e uso de satélite. Segundo o consórcio, se esta dívida não for paga, a empresa poderá entrar em insolvência em meados de setembro, ameaçando ainda desligar a ligação satélite por falta de dinheiro.

Os equipamentos de redundância do SIRESP consistem na ativação de estações-base através de satélite quando há falha de outra estação, permitindo assim garantir a transmissão das comunicações. Estes equipamentos nasceram de uma medida prevista em 2016 e proposta pela comissão técnica independente que avaliou os incêndios florestais de 2017.

O JN recorda ainda que Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, não explicou em 2018 como é que o investimento na redundância criada foi assegurado, uma vez que o Tribunal de Contas chumbou por duas vezes a possibilidade de ser o Estado a pagar esse custo devido à falta de documentação e de pareceres técnicos que o sustentam.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
153

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)