Rádio Observador

Ciência

Um mergulhador chegou ao local mais profundo da Terra. E encontrou plástico

5.165

É o recorde do maior mergulho de sempre: 11 km de profundidade. No mais fundo local dos oceanos, foram encontradas novas espécies animais, mas também um saco de plástico e papéis de rebuçados.

O explorador aquático norte-americano que fez o mergulho mais profundo de sempre, no Fosso das Marianas, encontrou a 10,927 metros de profundidade um saco de plástico e papéis de rebuçados, noticia a BBC.

Victor Vescovo desceu no submersível “The Limiting Factor” ao fundo da Depressão Challenger, o mais profundo fosso do mundo. Numa viagem de 11 quilómetros e que durou quatro horas, Vescovo realizou o maior mergulho da História. O anterior recorde tinha sido fixado pelo realizador James Cameron também no Fosso das Marianas, quando, em 2012, desceu a uma profundidade de quase 11 quilómetros.

Penso que o humano tem uma tendência natural para atingir extremos. Há uma parte fantástica da nossa natureza que nos faz testar os nossos limites. É impossível descrever o quão entusiasmados estamos por termos alcançado este recorde”, disse à CNN o explorador de 53 anos.

Na expedição, que decorreu no dia 1 de maio, Vescovo e a sua equipa fizeram no total cinco mergulhos, em 12 horas. Foram também lançados no terreno meios robóticos para explorar o local. “Vi coisas muito interessantes no fundo”, disse o norte-americano no fim do mergulho.

Na depressão, a equipa crê ter descoberto quatro novas espécies de crustáceos, semelhantes a camarões. Foram ainda vistos pepinos-do-mar e formações rochosas “de cores vibrantes”, que podem ser depósitos químicos. Contudo, o sucesso da expedição ficou manchado pela descoberta de lixo humano. A poluição chegou, literalmente, ao mais fundo local da Terra. A equipa recuperou um saco de plástico e invólucros de rebuçados. Os animais vão agora ser testados por cientistas para averiguar se têm no seu sistema microplásticos, um problema cada vez mais comum para as espécies dos oceanos.

A equipa crê ter descoberto quatro novas espécies de crustáceos

A expedição faz parte de uma missão intitulada Five Deeps, cujo objetivo é realizar mapas detalhados dos cinco mais profundos locais dos oceanos. De facto, a equipa já realizou missões na Fossa de Puerto Rico e na South Sandwich Trench, ambas no Oceano Atlântico, e na Fossa de Java, no Oceano Índico. A missão vai agora navegar, em agosto, na nunca explorada Molly Deep, no Oceano Ártico. “Até agora, já completámos cerca de 150.000 quilómetros quadrados de base oceânica. E ainda só vamos a meio. Quando concluídos, os mapas serão disponibilizados online para serem utilizados por qualquer pessoa”, disse Alan Jamieson, cientista chefe da expedição.

Esta foi a terceira vez que o Homem “nadou” na Fossa das Marianas. A primeira expedição aconteceu em 1960 e foi realizada pelos oceanógrafos Don Walsh e Jacques Piccard, no submersível “Bathyscaphe Trieste“. E, no dia em que Victor bateu o recorde, estava na superfície a assistir ao mergulho nada mais nada menos do que Don Walsh.

O explorador (à direita) foi saudado à superfície por Don Walsh (à esquerda), o primeiro homem a mergulhar na Fossa das Marianas

Saúdo o Victor Vescovo e a sua fantástica equipa pela exploração histórica do Fosso das Marianas. Há seis décadas, eu e Jacques Piccard fomos os primeiros a visitar o local mais fundo dos oceanos. Agora, é uma honra ser convidado para participar nesta expedição a um local da minha juventude”, declarou Walsh.

O submersível em que o explorador mergulhou tem 4,6 metros de comprimento e 3,7 metros de altura e foi construído pela empresa norte-americana “Triton Submarines”. Tem capacidade para duas pessoas e é capaz de suportar a pressão que o mais profundo local do oceano oferece: 1,000 bars, equivalente a 50 aviões empilhados em cima de uma pessoa. Para além de operar sob altas pressões, o submersível tem ainda de trabalhar com pouca ou nenhuma luminosidade e sob temperaturas gélidas. “Este submarino, em conjunto com a sua equipa de expedição extraordinariamente talentosa, elevaram a tecnologia marinha para um nível totalmente novo e ridiculamente alto”, disse Vescovo.

As condições na Depressão também dificultaram a captura de imagens. A expedição está a ser acompanhada pela Atlantic Productions, para a realização de um documentário para o Discovery Channel. O diretor de conteúdos da produtora, Anthony Geffen, refere que filmar neste ambiente foi o trabalho mais difícil em que esteve envolvido. “Tivemos de desenvolver novos sistemas e suportes para montar no interior do habitáculo do Victor e filmar todos os seus mergulhos”, explicou.

A expedição foi financiada pelo próprio Victor Vescovo. O americano, que trabalha na área das finanças, já fez também escalada. Desta vez, desceu a uma profundidade superior à altura do Evereste.

Sinceramente, no fim, relaxei, refastelei-me no cockpit, desfrutei da vista e comi uma boa sanduíche de atum, enquanto flutuava no local mais fundo da Terra”. Foi um momento muito feliz e pacífico para mim. E depois voltei à superfície”, recordou Victor Vescovo.

Depois de completada a missão, a equipa pretende oferecer o submersível a instituições científicas, no final do ano, para que investigadores possam continuar a utilizá-lo. Hoje, as fossas oceânicas tornaram-se uma das últimas fronteiras do planeta. Outrora remotas, estes “desertos marítimos” enchem-se agora de vida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)