Rádio Observador

Eleições Europeias

Jerónimo de Sousa reúne Nossa Senhora de Fátima, Berardo, PS, CDS e PSD num só discurso

124

O Secretário-geral do PCP marcou presença no jantar de mulheres apoiantes da CDU, em Lisboa, e recordou políticas para as mulheres e pactos entre PS, CDS e PSD.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O protagonista dos discursos que se seguiram ao jantar, servido na Casa do Alentejo a mais de 400 apoiantes da CDU, foi sem dúvida Jerónimo de Sousa. Com uma intervenção que parecia cronometrada ao segundo, o secretário-geral do PCP discursou durante 30 minutos e não poupou críticas a PS, PSD e CDS.

Para Jerónimo de Sousa, os três partidos “continuam irmanados na obediência e submissão às imposições da União Europeia”. Por várias vezes o líder do partido insistiu que “os argumentos utilizados são as mesmas opções” do anterior governo do PSD/CDS.

Mas a reação mais intensa da plateia deu-se quando Jerónimo de Sousa se referiu à audição de Joe Berardo, no Parlamento, na Comissão de Inquérito à Caixa Geral de Depósitos, apelidando-a de um “escândalo” e acusando-o de “desfaçatez”.

Assim que se ouviu o nome Joe Berardo os aplausos nas salas deram lugar a assobios e apupos. Efeito conseguido, Jerónimo de Sousa mudou depois de assunto para defender que o Parlamento Europeu precisa de “deputados que defendam os interesses do povo e do país, deputados da CDU”.

Não é por ser comunista que Jerónimo de Sousa é insensível às datas do calendário (muito menos em tempo de campanha eleitoral). E se esta noite ainda se estava no 13 de maio, até a Nossa Senhora de Fátima entrou no comício da CDU, como mote para falar de mães e de políticas de natalidade. O secretário-geral do PCP recordou o alargamento das licenças de parentalidade e a aprovação da licença de maternidade para grávidas em profissões de risco, pagas a 100% entre outras medidas que reclama serem iniciativa do PCP para explicar a todos a importância da presença do partido na solução governativa.

“Para a CDU os direitos das mulheres são para cumprir. No trabalho, na vida social, política, cultural e desportiva”, ia dizendo o líder comunista debaixo de constantes salvas de palmas e gritos de apoio.

“Não gosto de meter água quando estou a intervir”

Nem uma piada faltou ao discurso de Jerónimo de Sousa quando, depois de ter perdido por momentos a voz, respondeu a uma apoiante que lhe pediu que bebesse água: “Não gosto de meter água quando estou a intervir e por isso é que não bebi”.

Jerónimo de Sousa deixou ainda uma “palavra mágica fundamental” para as eleições europeias: confiança.

O candidato às europeias da CDU teve no jantar o ponto alto do primeiro dia da campanha. João Ferreira foi mais comedido nas palavras, mas não deixou de fazer um apelo ao voto.

“Dar mais força à CDU é contribuir para avanços nos direitos das mulheres na Europa, no apoio à luta das mulheres em cada país”, dizia enquanto era aplaudido por centenas de mulheres que se juntaram ao jantar de apoio.

De acordo com o eurodeputado, a opção de assinalar o primeiro dia de campanha com um jantar dedicado às mulheres justifica-se porque “este ainda não é o tempo da igualdade”. Além da violência doméstica e da proteção a mulheres com deficiências João Ferreira referiu ainda a prostituição como “uma grave forma de violência e exploração”.

Para João Ferreira, a CDU afirma-se como “a mais consequente aliada na luta contra os preconceitos e estereótipos sobre o papel da mulher na família, na vida social, política e cultural”.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpenela@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)