Futebol

Manchester City pode ficar proibido de ir à Champions, clube diz que está inocente: o que está em causa

Reportagem do The New York Times defende que atual investigação a irregularidades no cumprimento do fair-play financeiro pelo Manchester City vai pedir sanção para o clube, que pode falhar Champions.

Manchester City conquistou este domingo o primeiro bicampeonato da sua história mas pode ficar fora da Liga dos Campeões

AFP/Getty Images

O Manchester City ganhou a Supertaça, ganhou a Taça da Liga, ganhou o Campeonato e disputa este sábado a final da Taça de Inglaterra, em Wembley, frente ao Watford. Em termos internos, a época da equipa de Pep Guardiola arrisca ser perfeita mas, mais uma vez, faltou a outra parte que o clube há tanto procura: uma presença no momento das decisões na Liga dos Campeões. Depois da eliminação frente ao Tottenham nuns quartos-de-final eletrizantes e com emoção até aos descontos (quando o golo de Agüero que valeria a qualificação foi anulado pelo VAR), já se fala em reforços para melhorar ainda mais o plantel e ganhar argumentos para a luta europeia. Mas nem tudo são facilidades. Dentro e fora do relvado.

À semelhança do que acontece com o PSG, a possibilidade de haver uma sanção que proíba o Manchester City de participar na Liga dos Campeões não é propriamente nova, sempre com a questão do fair-play financeiro como pano de fundo. No entanto, um artigo publicado esta terça-feira pelo The New York Times traz novos e mais complicados desenvolvimentos em relação ao caso, havendo mesmo a possibilidade real dos citizens serem punidos em 2019/20 – algo que o clube refuta. A decisão final, essa, ainda não foi oficialmente tomada mas pode colocar em causa a entrada dos ingleses na Champions a breve prazo.

Yves Leterme, antigo primeiro-ministro belga e líder do painel de investigação da UEFA ao controlo financeiro dos clubes, fará esta semana uma recomendação ao órgão no que toca à sanção possível ao City. E, segundo a publicação americana, tudo aponta para que peça uma sanção para a formação inglesa na forma de suspensão, num inquérito onde foram também consideradas as notícias publicadas pelo Der Spiegel no âmbito do Football Leaks a essa propósito, no ano passado.

Em resumo, o Manchester City já era suspeito de ter quebrado as regras do fair-play financeiro através de uma inflação elevada do valor do acordo multimilionário de patrocínio que a equipa tem com uma empresa de investimento dos Emirados Árabes Unidos, tendo pago mais de 50 milhões de euros ainda em 2014 por acordo com a UEFA pela quebra desses regulamentos, além de não poder inscrever os habituais 25 jogadores na competição. Agora, com provas concretas que vieram a público com o Football Leaks, até as declarações prestadas na altura estão sob suspeita.

O clube, que mesmo sendo punido poderá recorrer ao Tribunal Arbitral de Desporto (o que congelaria a decisão pelo menos até 2020/21), já reagiu e voltou a manifestar a sua inocência num comunicado reproduzido pelo The Guardian, entre outros meios. “O Manchester City está a colaborar de boa fé com a Câmara de Investigação ao Controlo Financeiro dos Clubes (CFCB IF) na investigação que está a decorrer. A reportagem do The New York Times citando ‘pessoas familiares ao caso’ é muito preocupante. O Manchester City publica todas as suas contas e a acusação de irregularidades financeiras é falsa, sendo que foram fornecidas à CFCB IF as provas que comprovam isso mesmo”, explicou esta terça-feira o campeão inglês.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)