Rádio Observador

Premier League

O tempo passa e só muda a cor do cabelo: Agüero abre goleada e City revalida título de campeão

Liverpool foi virtualmente campeão durante 20 minutos, City esteve a perder com o Brighton mas Kun Agüero, herói de 2012 nos descontos, empatou e abriu caminho para a goleada – e para o bicampeonato.

Agüero, que marcou o 1-1 logo depois do golo do Brighton, festeja com Laporte e companhia o 2-1 ainda antes do intervalo

Getty Images

Duas garrafas de água na mão, o habitual casaco cinzento com capuz, os cumprimentos a Chris Hughton e restantes elementos da equipa técnica. A entrada de Pep Guardiola no relvado do Falmer Stadium poderia ser um qualquer jogo da Premier League. Tal como o próprio assumira na antecâmara do encontro com o Brighton, não sentia a pressão, queria uma partida com muitos golos e dormira que nem um anjinho. Mas não, este não era um jogo qualquer. E o seu comportamento mostrou isso mesmo.

Depois de uma primeira jogada fantástica logo a abrir de Bernardo Silva, a conseguir ganhar metros com bola controlada até ao momento do remate na área já muito pressionado por três adversários, o técnico espanhol mantinha-se sentado no banco ao lado do adjunto Mikel Arteta até aos seis minutos, altura em que o iraniano Alireza Jahanbakhsh teve uma tentativa muito perigosa à baliza de Ederson que deixou o brasileiro pregado ao chão a ver o lance passar perto do poste. Os nervos cresciam, levantou-se, voltou a sentar-se mas ficou de vez de pé quando terá recebido a indicação de que o Liverpool estava na frente com um golo de Mané e o Manchester City continuava a sentir muitas dificuldades perante o bloco muito baixo do Brighton.

Os visitados, que conseguiram resolver a sua permanência antes da última jornada, não conseguiam propriamente esticar o jogo ou sair em transição mas, perante a ansiedade de uma equipa do City com visíveis problemas em desmontar a teia defensiva do adversário, bastou ao Brighton jogar no erro para inaugurar o marcador: depois de um remate de longe desviado para canto, Glenn Murray apareceu sozinho ao primeiro poste para desviar de cabeça e inaugurar o marcador aos 27′. Guardiola, perante a desvantagem, tirou o casaco. Mas, como há não muito tempo, existe um homem talhado para ser herói nos grandes momentos que decidem a Liga: Kun Agüero. Foi assim em 2012, foi assim em 2014, foi assim em 2018, foi assim em 2019.

O argentino que trocou o Atl. Madrid pela Premier League em 2011, naquela que foi uma das primeiras transferências mais sonantes do agora todo poderoso Manchester City, tem vindo a quebrar recordes do clube e voltou a ter um papel de protagonista principal como na época em que marcou nos descontos frente ao QPR o golo que tirou o título ao United: logo no minuto seguinte ao 1-0, e em mais uma jogada onde conseguiu colocar-se no limite da linha de fora de jogo para ultrapassar centrais bem mais fortes no plano físico, Agüero recebeu um passe de calcanhar na área de David Silva e fez passar a bola por entre as pernas dee Mathew Ryan. Guardiola cerrou os punhos, deu indicações para dentro de campo e “explodiu” dez minutos depois (38′), quando Laporte aproveitou uma distração de Murray, entrou na zona “morta” da defesa à zona e cabeceou para o 2-1 num canto, já depois de Bernardo Silva ter visto Ryan a salvar em cima da linha de golo a melhor oportunidade que o português teve.

Kun Agüero marcou assim o primeiro golo do City apenas 83 segundos depois do 1-0 do Brighton (Michael Regan/Getty Images)

O técnico espanhol abraçou Arteta e os restantes adjuntos, fez um sinal de festejo para a bancada onde se concentravam os muitos adeptos do City mas apanhou ainda mais um susto quando Lewis Dunk, na marcação de um livre direto, obrigou Ederson a uma defesa atrapalhada por cima da trave (45′). Ao intervalo, o City era virtualmente campeão depois de ter estado 20 minutos atrás do Liverpool na tabela classificativa e havia outro conforto para o que se seguiria na segunda parte. E tudo porque os anos passam mas, com Agüero, só muda mesmo a cor de cabelo – e foi dos pés do argentino que começou a festa. Por alguma razão, no último mês, Guardiola tinha descrito o argentino como “uma lenda que faz sempre golos importantes”.

Com uma segunda parte de absoluto controlo (83% de posse), com um lance a abrir que motivou muitos (e justos) protestos por atraso de bola de Laporte para Ederson que o guarda-redes agarrou na pequena área, Mahrez, numa fantástica jogada à entrada da área onde deixou Dunk no chão, marcou da melhor forma o regresso aos jogos da Premier League mais de um mês depois com um grande remate de pé direito que fez o 3-1 (63′), numa goleada que fechou com um livre direto de Gündogan nove minutos depois. Pep Guardiola, esse, estava cada vez mais agitado, a pensar nas substituições que poderia ou não fazer. Mas a sua cara dizia tudo: depois do pesadelo logo a abrir, o técnico espanhol teve uma tarde de sonho e pode voltar a dormir como um anjinho com aquela que foi a 14.ª vitória consecutiva na Premier League que deixou o Liverpool em segundo com 97 (!) pontos. E, com isso, os citizens ganharam o sexto título, naquele que foi o seu primeiro bicampeonato da história.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)