Energia

“Acordo histórico”: motoristas de matérias perigosas desconvocam greve

164

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) desconvocou a greve marcada para dia 23, após uma reunião com o Governo e com a associação patronal ANTRAM.

Pardal Henriques explicou que o acordo inclui as reivindicações ao nível da progressão salarial e a proibição da circulação de matérias perigosas aos domingos e feriados

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) desconvocou, esta sexta-feira, a greve marcada para dia 23 e anunciou “um acordo histórico”, após uma reunião com o Governo e com a associação patronal ANTRAM que só terminou de madrugada.

“Conseguimos fechar um acordo histórico, tanto a nível financeiro como não financeiro, com grande reconhecimento da carreira profissional”, disse à Lusa o vice-presidente da SNMMP, Pedro Pardal Henriques, no final da reunião que decorreu no Ministério das Infraestruturas, em Lisboa. “Por essa razão, é desconvocada a greve que estava prevista para dia 23”, adiantou o dirigente do sindicato.

A reunião foi convocada a meio da tarde de quinta-feira e o encontro contou a presença do ministro, Pedro Nuno Santos, e com representantes da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM).

O gabinete do ministro enviou um comunicado às redações pelas 03:00 da madrugada apenas com a indicação de que “A ANTRAM e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) chegaram esta madrugada a acordo. A greve do dia 23 de maio será desconvocada”.

O vice-presidente do sindicato explicou à Lusa que o acordo inclui as reivindicações ao nível da progressão salarial e a proibição da circulação de matérias perigosas aos domingos e feriados.

“Há um acordo para a progressão salarial que começa em janeiro com uma remuneração base que começa em 1.400 euros por mês e inclui um prémio especial para os motoristas de matérias perigosas, sendo que se partia de 630 euros fixos e passa-se para 1.400 euros fixos divididos por várias rubricas”, detalhou.

Por outro lado, o vice-presidente da SNMMP acrescentou que “ficou decidida uma progressão anual em 2021 e 2022, que ronda os 100 euros/ano, acrescida de uma indexação ao aumento do salário mínimo nacional”.

Quanto à redução da idade de reforma, a reivindicação continua em cima da mesa e será alvo de negociações com a ANTRAM, partidos e Governo, declarou.

“Conseguimos ainda um compromisso extremamente importante com o Governo de proibir a circulação de matérias perigosas aos domingos e feriados, o que acontece já na Europa, o que vai permitir que os motoristas possam descansar e estar com as famílias nesses dias, algo que não sabiam o que era há mais de 20 anos”, frisou.

O SNMMP foi criado no final de 2018 e tornou-se conhecido com a greve iniciada a 15 de abril último, que levou o Governo a decretar uma requisição civil e, posteriormente, a convidar as partes a sentarem-se à mesa de negociações.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)