Rádio Observador

Viral

Morreu Grumpy Cat, a gata mais famosa da internet

394

Tornou-se uma celebridade da internet praticamente desde que nasceu. Tardar Sauce, a gata maldisposta, morreu "pacificamente" na última terça-feira, tinha 7 anos.

Nasceu em abril de 2012 e morreu na passada terça-feira. Grumpy Cat ficou conhecida como a gata mais famosa da internet

Nasceu a 4 de abril de 2012 e, meses depois, já se tornava um fenómeno viral da internet. Tardar Sauce foi o nome dado pelos donos, em Morristown, no estado do Arizona, mas o mundo apelidou esta gata de semblante maldisposto de Grumpy Cat. Num comunicado divulgado esta sexta-feira nas redes sociais, a família anunciou a morte da gata de sete anos.

“Estamos destroçados por anunciar a perda da nossa querida Grumpy Cat”, afirmaram. “Apesar dos cuidados prestados por profissionais de topo e pela sua família, Grumpy teve complicações derivadas de uma infeção urinária recente que se tornou impossíveis de ultrapassar. Ela faleceu pacificamente na manha de terça-feira, 14 de maio, em casa, nos braços da mãe, Tabatha”, pode ler-se.

“Além de ser o nosso bebé e querido membro da família, Grumpy Cat ajudou milhões de pessoas em todo o mundo a sorrir — mesmo em tempos difíceis”, prossegue o comunicado. O espírito dela continuará vivo através dos seus fãs, onde quer que estejam. A família da Grumpy — Tabatha, Bryan e Chyrstal”.

O ar constantemente maldisposto desta gata começou a correr o mundo em setembro de 2012. Além de ser anã, uma malformação nos dentes foi sempre a origem do focinho rabugento. Dos redes sociais para o mundo real, a fama fê-la viajar e registar inúmeras aparições televisivas. Chegou mesmo a protagonizar o seu próprio filme de Natal — Grumpy Cat’s Worst Christmas Ever. Celebrou contratos comerciais com a Friskies, um patrocínio que durou anos, e com os cereais Honey Nut Cheerios.

A réplica em cera chegou a vários museus Madame Tussauds nos Estados Unidos e também ao de Londres © Larry French/Getty Images for Getty Images for Madame Tussauds

Em 2013, Grumpy Cat foi “entrevistada” para a revista Forbes. No diálogo, o jornalista Michael Noer atribuiu à gata pensamentos filosóficos bem como opiniões nas áreas da arte e da literatura. Em 2015, chegou ao Madame Tussauds de São Francisco. Um ano depois, a sua réplica em cera chegaria a Londres, evento que a levou a atravessar o Atlântico. Além do merchandising, Grumpy Cat fica imortalizada em milhares de memes. Morreu na última terça-feira, tinha sete anos.

Grumpy Cat disfarçada de Princesa Leia

Nas redes sociais, multiplicam-se as reações ao comunicado da família Bundesen. “Obrigado por todos os sorrisos e gargalhadas, Grumpy Cat. Obrigado há família dela por a partilharem connosco”, escreve uma seguidora do Facebook, com cerca de 8.500.000 de seguidores. “Estou de coração partido por vocês. Não há nada que possa dizer que torne isto mais fácil […] Muito amor e obrigado pela inspiração e pelos sorrisos”, lê-se no Instagram, seguindo por quase dois milhões e meio de pessoas. “Boas memórias da tua linda cara maldisposta. A tua vida foi demasiado curta”, no Twitter, onde tem um milhão e meio de seguidores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)