Rádio Observador

Futebol

PR angolano diz que ausência da deputada Tchizé dos Santos deve ser respondida pela Assembleia Nacional

O chefe de Estado de Angola considerou que a ausência do Parlamento, há mais de 90 dias, de Tchizé dos Santos, do MPLA, deve ser esclarecida pelo Presidente da Assembleia Nacional.

João Relvas/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O chefe de Estado de Angola considerou este sábado que a ausência do Parlamento, há mais de 90 dias, de Tchizé dos Santos, deputada do seu partido, o MPLA, deve ser esclarecida pelo Presidente da Assembleia Nacional (AN).

“Eu acho que é uma questão a ser respondida pelo presidente da Assembleia Nacional [Fernando Piedade Dias dos Santos (Nando)”, respondeu João Lourenço, nada mais adiantando sobre a situação em que se encontra a deputada do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), de que também é líder.

No dia 07 de maio, o Grupo Parlamentar do MPLA enviou uma carta a Tchizé dos Santos, filha do ex-presidente angolano, José Eduardo dos Santos, a “sugerir” à deputada que “suspenda” o seu mandato na Assembleia Nacional angolana, por se encontrar ausente do país há mais de 90 dias.

Os três meses de ausência implicam, segundo o Regimento da Assembleia Nacional de Angola e o Estatuto de Deputado, a suspensão do mandato, havendo várias formas de o fazer: ser a própria deputada a solicitá-lo, o Grupo Parlamentar do partido a que pertence, o próprio MPLA ou ainda o presidente do Parlamento.

Isso mesmo foi dito a 11 deste mês à agência Lusa pelo porta-voz do MPLA, Paulo Pombolo, lembrando que o partido tem meios para suspender o mandato de Tchizé dos Santos, que contestou o conteúdo da carta e recusou pedir a suspensão, alegando que vive no Reino Unido porque tem receio pela sua segurança se regressar a Angola.

Paulo Pombolo lembrou que o partido “não tem por norma” discutir os assuntos internos na “praça pública”, tanto mais que Tchizé dos Santos integra o Comité Central do MPLA, cujos membros têm responsabilidades acrescidas, superiores às dos militantes de base.

“A camarada Tchizé dos Santos, como membro do Comité Central, sabe que há regras e normas a cumprir e está a portar-se mal”, afirmou, lembrando que tudo começou com uma carta do grupo parlamentar do MPLA.

Questionado pela Lusa sobre o que pode acontecer se Tchizé dos Santos não o fizer — alega, além de razões de segurança pessoal, perseguições políticas e intimidações feitas por dirigentes do partido -, Paulo Pombolo indicou que, em última análise, e à luz do Regimento da Assembleia Nacional e do Estatuto de Deputado, o MPLA, o seu próprio Grupo Parlamentar e até o próprio Presidente do Parlamento podem decidir a suspensão temporária do mandato.

“O que fizemos [na carta do grupo parlamentar] foi facilitar o trabalho da deputada [sugerindo que solicitasse a suspensão temporária do mandato]. Já passaram 90 dias e o MPLA não pode continuar sem um deputado no Parlamento. As regras são do parlamento e não do partido”, insistiu.

O porta-voz do MPLA disse não compreender porque Tchizé dos Santos não solicita a suspensão do mandato de deputada, para o qual foi eleita nas presidenciais e legislativas de agosto de 2017, uma vez que a Assembleia Nacional garante o regresso ao assento parlamentar assim que voltar ao país.

Paulo Pombolo afirmou que Tchizé dos Santos, na carta que dirigiu ao Presidente da Assembleia Nacional para justificar a saída do país, alegou razões de saúde dos filhos e não questões de insegurança ou de perseguições.

“Não faz sentido. Não é verdade”, garantiu, sublinhando que a melhor solução para Tchizé dos Santos é escrever ao Presidente da Assembleia Nacional para suspender temporariamente o mandato.

Na contestação à proposta do Grupo Parlamentar do MPLA, Tchizé dos Santos, em declarações à Lusa, também acusou João Lourenço de estar “a fazer um “golpe de Estado às instituições” em Angola e defendeu a respetiva destituição.

Na ocasião, a deputada assumiu que está “involuntariamente” fora do país devido à doença da filha e que há vários meses está a ser “intimidada” por dirigentes do partido no poder em Angola desde 1975.

Face à realidade em Angola, a deputada disse ainda que está à procura de advogados em Luanda para avançar para o Tribunal Constitucional com uma participação sobre o seu caso, e ainda com “um pedido de ‘impeachment’ [destituição]” de João Lourenço no Parlamento, procurando para tal o apoio de deputados para uma proposta de Comissão de Parlamentar de Inquérito para apurar a conduta do atual chefe de Estado.

“O Presidente da República é conivente porque nada faz (?) Está a haver um crime contra o Estado. Isto é um caso para ‘impeachment’. Este Presidente da República merece um ‘impeachment'”, afirmou Welwitschea ‘Tchizé’ dos Santos, considerada a filha mais próxima, politicamente, de Eduardo dos Santos.

Em reação, também à Lusa, o porta-voz do MPLA considerou “muito graves” as declarações de Tchizé dos Santos, lembrando que o partido tem órgãos próprios – Comissão Nacional de Disciplina e Auditoria – e vai analisar as declarações à luz dos estatutos partidários.

“Exigir a destituição do Presidente João Lourenço? Acusar o Presidente de ser um ditador? De estar a fazer um golpe de Estado às instituições em Angola? Tem provas? São palavras absurdas e declarações graves, muito graves, que o partido vai analisar”, afirmou Paulo Pombolo à Lusa, garantindo, porém, que, no limite, a expulsão de Tchizé dos Santos não está sequer equacionada.

O porta-voz do MPLA acrescentou que o assunto vai ser ainda debatido pela Comissão de Disciplina, pelo que não se pode antecipar seja o que for sobre uma eventual decisão de órgãos que são “independentes e autónomos”.

Sobre o assunto, João Lourenço não se pronunciou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)