Incêndios

Fogo em paiol desativado em Loures desalojou dezenas de pessoas

138

As chamas consumiram mato e "barracas de arrumos", na Quinta do Mocho, em Sacavém, no concelho de Loures. Bernardino Soares diz que "foi uma situação muito preocupante".

O incêndio atingiu as instalações de um antigo paiol de armas do Exército, a cargo do Ministério da Defesa

Dezenas de pessoas que viviam nas instalações de um antigo paiol ficaram desalojados na sequência de um incêndio que deflagrou no domingo numa zona de mato de Sacavém, concelho de Loures, confirmou esta segunda-feira o presidente da autarquia.

O incêndio deflagrou pouco depois das 17h00 e mobilizou mais de 90 elementos das forças de socorro e segurança, informou no domingo à agência Lusa fonte da Proteção Civil. No mesmo dia, fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa referiu que o fogo tinha atingido também alguns barracões, mas não ameaçava habitações.

Contudo, em declarações na tarde desta segunda-feira à Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares (CDU), adiantou que o incêndio atingiu as instalações de um antigo paiol de armas do Exército, a cargo do Ministério da Defesa, onde viviam, em condições precárias, várias dezenas de pessoas, que tiveram de ser retiradas. “Foi uma situação muito preocupante e que está a ser alvo de uma análise da nossa parte para saber o número exato de pessoas que têm de ser realojadas”, explicou o autarca.

Bernardino Soares referiu que o município tem estado em contacto com o Ministério da Defesa para que o Governo “assuma a sua responsabilidade na resolução deste problema”. “Ao longo de cerca de uma década fizemos uma série de alertas para que o Ministério da Defesa interviesse, pois sabíamos da perigosidade, mas nunca obtivemos resposta. Agora, eles têm de se envolver na procura de uma solução para este problema”, sublinhou.

Sem referir um número exato de desalojados, o autarca de Loures adiantou que as famílias retiradas do paiol pernoitaram no domingo no ginásio dos Bombeiros Voluntários de Sacavém. “Foi uma situação de emergência e não será, porventura, o melhor local para estas pessoas ficarem. Durante o dia hoje vamos continuar a fazer um balanço e ver caso a caso, para encontrarmos uma alternativa”, concluiu.

O incêndio deflagrou este domingo em Sacavém, no concelho de Loures. Pouco antes da meia-noite , ainda se encontravam local 107 operacionais, apoiados por 37 viaturas. As chamas consumiram mato e “barracas de arrumos”, na Quinta do Mocho, confirmou o Comandante Distrital de Operações de Socorro de Lisboa, Luís Gaspar, ao Observador.

O ataque inicial dos bombeiros foi realizado com sucesso e “o incêndio cedeu aos meios mobilizados“.

O comandante Luís Gaspar adiantou ainda que não há registo de feridos nem foi possível, para já, determinar a causa do incêndio. No local, estiveram corporações dos bombeiros de Camarate, Sacavém, Moscavide, Loures e Odivelas e ainda uma viatura da PSP.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)