Man Booker Prize

Jokha Alharthi, do Sultanato de Omã, vence Man Booker Prize International

O romance "Celestial Bodies" é o primeira obra escrita em árabe a vencer o importante prémio de tradução para a língua inglesa. O anúncio foi feito durante a noite desta terça-feira, em Londres.

"Celestial Bodies", publicado pela Sandstone Press, é o primeiro livro de uma escritora omanense traduzido para inglês

Jokha Alharthi, autora de Celestial Bodies, é a vencedora do Man Booker International 2019, prémio criado para incentivar a publicação e leitura de ficção de qualidade traduzida para língua inglesa. O anúncio foi feito esta terça-feira à noite na Roundhouse, em Camden Town, Londres, pela presidente do júri deste ano, a historiadora Bettany Hughes.

Esta é a primeira vez que um livro escrito em língua árabe vence o galardão. Alharthi é a primeira escritora originária do Sultanato de Omã a ser traduzida para inglês. “É uma grande honra”, afirmou a autora durante a cerimónia desta terça-feira.

Traduzido pela académica Marilyn Booth, que receberá metade do prémio, e publicado pela editora Sandstone Press, Celestial Bodies conta a história de três irmãs que vivem na aldeia omanense de al-Awafi — Mayya, que se casa com um pretendente oriundo de uma família rica depois de um desgosto de amor; Asma, que casa por dever; e Khawla, que espera por um homem que emigrou para o Canadá.

“Somos capazes de nos conhecer melhor em lugares estranhos e novos”

Bettany Hughes descreveu Celestial Bodies como um livro que “capta tanto o coração como a cabeça, que é subtil, lírico, profundo”, que transporta o leitor para “novas órbitas de experiência”. “Com uma arte delicada, evoca as forças que nos contêm e aquelas que nos libertam. Há uma linha deste trabalho que parece captar o espírito deste prémio e do próprio internacionalismo. Essa linha é: ‘Somos capazes de nos conhecer melhor em lugares estranhos e novos’.”

A presidente do júri do Booker Prize International já tinha chamado a atenção, durante a divulgação da shortlist em abril, para a importância da literatura estrangeira e a sua capacidade de ligar diferentes pontos do mundo e dar a conhecer diferentes realidades. Os outros jurados da edição deste ano foram Pankaj Mishra,Elnathan John, Maureen Freely e Angie Hobbs.

No Twitter, são várias as mensagens de parabéns para a escritora e à Sandstorm Press. Entre aqueles que admitiram ter gostado muito do romance, está a primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, que não deixou passar em branco o facto de a editora de Celestial Bodies ser escocesa.

Além de Celestial Bodies, estavam nomeados para o Booker Prize International deste ano romances escritos na sua maioria por mulheres e publicados por editoras independentes. O único homem a chegar a lista de seis finalistas foi o colombiano Juan Gabriel Vásquez, com The Shape Of The Ruins. Além desta obra, estavam nomeadas The Years, da francesa Annie Ernau, The Pine Islands, da alemã Marion Poschmann, Drive Your Plow Over The Bones Of The Dead, da polaca Olga Tokarczuk, e The Remainder, da chilena Alia Trabucco Zeran.

No ano passado, o prémio — no valor de 50 mil libras, que serão divididas de forma igual pelo autor e tradutor — foi atribuído a Olga Tokarczuk pelo romance Flighs, publicado no Reino Unido pela Fitzcarraldo Editions e traduzido para o inglês por Jennifer Croft. Tokarczuk foi a primeira polaca a vencer o galardão. O livro está publicado em português pela Cavalo de Ferro.

Dos prémios atribuídos anualmente pela The Booker Prize Foundation, faltam ainda conhecer-se os nomeados para o Man Booker Prize, o prémio de ficção em língua inglesa. A longlist será anunciada a 24 de julho e a shorlist a 3 de setembro. O finalista será anunciado a 14 de outubro durante uma cerimónia no Guildhal, em Londres. Em 2019, a vencedora foi Anna Burns, autora de Milkman (em breve publicado em Portugal pela Porto Editora). Foi a primeira vez que um escritor da Irlanda do Norte recebeu o mais importante galardão de literatura em inglês.

Este ano marca também o 50º aniversário da entrega do primeiro Booker Prize (criado um ano antes, em 1968, pela Booker MacConnell Ltd., uma empresa que comercializava açúcar, rum e maquinaria usada na exploração mineira) a P.H. Newby, autor que, apesar da popularidade que tinha, acabou por cair no esquecimento. O romance que lhe valeu o galardão, Something to Answer For, é um dos poucos do escritor inglês disponível no mercado britânico.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)