Rádio Observador

Planetas

Astrónomos encontram “Planeta Proibido”. É três vezes maior que a Terra e tem a sua própria atmosfera

1.562

O NGTS-4b foi encontrado numa zona do Universo onde se pensava que não era possível achar planetas com estas características sobreviverem. Dada a sua raridade, foi apelidado de "Planeta Proibido".

Ilustração de como será o "pequeno" planeta

Mark Garlick/University of Warwick

Um exoplaneta três vezes maior que a Terra e com a sua própria atmosfera foi descoberto no Neptunian Desert, zona que fica perto das estrelas e onde se julgava que planetas com estas características não existiam. A investigação foi liderada pela Universidade inglesa de Warwick e envolveu uma equipa internacional de astrónomos, noticia a CNN.

A massa do NGTS-4b, como é tecnicamente conhecido, equivale à de 20 planetas Terra. Ao mesmo tempo, este exoplaneta – assim denominado por se localizar fora do Sistema Solar – é 20% mais pequeno que Neptuno e tem uma temperatura de 1000 graus Celsius.  O “pequeno” planeta orbita em torno da sua estrela a cada 1,3 dias – o equivalente ao percurso que a Terra faz à volta do sol em 365 dias. É assim o primeiro planeta de sempre a ser encontrado no Neptunian Desert com estas características.

Este planeta deve ser muito duro: fica mesmo na zona onde pensávamos que nenhum planeta com o tamanho de Neptuno podia sobreviver”, afirmou Richard West, autor da Universidade de Warwick envolvido na investigação.

O Neptunian Desert recebe constantemente uma forte irradiação das estrelas. Isto significa que os planetas nesta zona não conseguem reter as suas atmosferas gasosas – estas evaporam e para trás fica apenas uma formação rochosa. Ainda assim, o NGTS-4b consegue reter a sua atmosfera de gás, conseguindo deste modo manter a sua estabilidade e existência. Dada a sua raridade, os astrónomos apelidaram-no de “Planeta Proibido”.

A equipa de astrónomos crê que o planeta se terá “mudado” para a zona do Neptunian Desert recentemente – ou seja, há um milhão de anos. Ao mesmo tempo, há a hipótese de, em tempos, o planeta ter sido muito maior. Isto significaria que a sua atmosfera tem vindo a evaporar, o que causaria a redução do tamanho do NGTS-4b.

Os investigadores detetaram o “Planeta Proibido” a partir do Next-Generation Transit Survey (NGTS), instalações para pesquisas astronómicas localizadas no Deserto Atacama, no norte do Chile. O planeta foi observado durante 272 noites, entre 6 de agosto de 2016 e 5 de maio de 2017.

Estamos agora a analisar os nossos dados para vermos se conseguimos encontrar mais planetas no Neptunian Desert. Talvez este deserto tenha mais vida do que o que se pensava”, concluiu West.

O estudo resultou de uma colaboração da Universidade de Warwick, Leicester, Cambridge e da Universidade de Queen em Belfast. Estiveram ainda envolvidos na investigação o Observatório de Génova, o DLR de Berlim e a Universidade do Chile.

Já na semana passada, tinha sido anunciada a descoberta de 18 novos exoplanetas com dimensões semelhantes ao planeta Terra.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)