Rádio Observador

Atletismo

Português Pedro Pichardo abre a época com 17,47 no triplo salto e já é segundo mundial

O atleta naturalizado português fez a segunda melhor marca mundial do ano, com um salto de 17,47 metros. No meeting de Roma, Pichardo bateu recorde nacional. Nélson Évora foi 10º na prova.

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Pedro Pablo Pichardo iniciou esta quinta-feira a sua época de atletismo ao ar livre, conseguindo ser segundo classificado no triplo salto do meeting de atletismo de Roma, da Liga Diamante.

Numa prova em que também esteve outro português, Nelson Évora – que foi 10.º, com 16,69 metros -, Pichardo chegou aos 17,47 metros, marca só batida pelo norte-americano Omar Craddock, que, com 17,68, igualou a melhor marca mundial do ano, que já lhe pertencia.

Pichardo, nascido em Cuba e naturalizado português, salta diretamente para segundo melhor mundial do ano, em igualdade com o grande ausente em Roma, o norte-americano Chris Taylor, campeão olímpico e mundial.

Taylor tem protestado ativamente contra o que considera serem prémios de presença baixos pagos aos triplo-saltadadores nos ‘meetings’ da Liga Diamante. Não chegou a acordo com a organização e ficou de fora, tal como o seu compatriota Will Clayes, também ele um dos melhores do mundo.

Craddock confirmou o favoritismo e Pichardo arranca muito bem a época, depois de ter sido impedido, em maio, de competir como português pelo Benfica na Taça dos Clubes Campeões Europeus.

Apesar da associação internacional das federações de atletismo (IAAF) já ter reconhecido a mudança de nacionalidade (Pichardo pode estrear-se pela seleção no Mundial), a associação europeia (EAA) ainda não ‘validou’ a mudança, para as suas provas.

Pichardo, que já é o recordista nacional, é o quinto homem do ano a mais de 17,40, juntando-se a quatro norte-americanos – Taylor, Craddock, Claye e ainda Donald Scott, terceiro na prova de hoje com 17,43.

Quanto a Nelson Évora, o ex-recordista luso, que tem uma longa e ilustre carreira em que se destacam o título olímpico e várias outras medalhas em Mundiais e Europeus, ainda está longe do seu melhor.

Em três saltos apenas, teve como melhor 16,69 metros, o que ainda não chega para entrar no ‘top-30’ mundial. Com 17,11 em pista coberta esta época, Évora também tem os mínimos para o Mundial de Doha, em setembro e outubro próximos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)