Rádio Observador

Vieira da Silva

“Vieira da Silva em Festa” celebra aniversário da pintora a 13 de junho

132

A Fundação Arpad Szenes -- Vieira da Silva (FASVS) assinala na quinta-feira, 13 de junho, em Lisboa, o aniversário do nascimento da pintora Maria Helena Vieira da Silva.

A Fundação Vieira da Silva tem vindo a festejar o aniversário da pintora, nascida no dia 13 de junho, há 111 anos.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Um programa com exposições, visitas guiadas, atividades para crianças e concertos, assinala, na quinta-feira, 13 de junho, em Lisboa, o aniversário do nascimento da pintora Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992), anunciou o Museu esta terça-feira.

De acordo com a Fundação Arpad Szenes — Vieira da Silva (FASVS), para festejar o aniversário da artista, que coincide com o dia de Santo António, vão ser realizadas várias atividades gratuitas, entre as 10h e as 22h, no museu, no jardim da Praça das Amoreiras e na Casa Atelier Vieira da Silva.

Do programa fazem parte uma feira do livro de arte, no jardim, visitas guiadas às exposições do museu, nomeadamente “A Metade do Céu”, e atividades para famílias, pinturas faciais, a exibição do filme “Correspondências”, de Rita Azevedo Gomes, e um concerto dos Jovens Solistas da Orquestra Metropolitana de Lisboa.

Está ainda prevista uma sessão de ‘vídeo-mapping’ Vieira da Silva, projeção multimédia criada por Oskar & Gaspar, na fachada do museu.

A Fundação Vieira da Silva tem vindo a festejar o aniversário da pintora, nascida no dia 13 de junho, há 111 anos, mas este ano é especial, porque se completam também os 25 anos do museu.

O programa alargado de iniciativas gratuitas visa “promover o conhecimento da vida e obra da artista, atraindo novos públicos, e revitalizar o Jardim das Amoreiras, como espaço de lazer e como polo cultural e artístico, em parceria com outras instituições”, de acordo com a fundação.

Criada ainda em vida de Maria Helena Vieira da Silva, uma das mais importantes pintoras portuguesas, e instituída por decreto-lei em 10 de maio de 1990, a Fundação Arpad Szenes — Vieira da Silva tem como missão garantir a existência de um espaço, em Portugal, onde o público possa contactar permanentemente com a obra dos dois pintores.

Quando França sofreu a ocupação nazi, na Segunda Guerra Mundial, Vieira da Silva e Arpad, que viviam em Paris, tentaram regressar a Portugal, mas o presidente do Governo da ditadura, António Oliveira Salazar, retirou a nacionalidade portuguesa à pintora e ao marido, cidadão húngaro de ascendência judia.

Vieira da Silva e Arpad partiram então para o Brasil, onde estiveram exilados entre 1940 e 1947, permanecendo apátridas até 1956, ano em que lhes foi concedida a nacionalidade francesa.

O Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva foi inaugurado em 3 de novembro de 1994, num edifício da Praça das Amoreiras, cedido pela Câmara Municipal de Lisboa, e apresenta regularmente exposições com a obra do casal ou de artistas com os quais tiveram algum tipo de ligação de amizade.

A Fundação Calouste Gulbenkian custeou as obras de remodelação e a Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento apoiou o projeto na área da investigação.

A coleção do museu cobre um vasto período da produção de pintura e desenho do casal: de 1911 a 1985, para Arpad Szenes (1897-1985), e de 1926 a 1986, para Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992).

Também foi desejo de Vieira da Silva legar um espaço de investigação aberto ao público, com a criação do Centro de Documentação e Investigação que, além de desenvolver pesquisas internamente, tem acolhido investigadores portugueses e estrangeiros.

Na rua João Penha, ao Alto de São Francisco, junto à praça das Amoreiras e ao museu, está também aberta ao público a antiga casa-atelier da pintora, com uma programação própria de exposições e conferências, acolhimento de atividades propostas pela comunidade e residências para artistas e investigadores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)