Rádio Observador

Crime

Relicário com ossadas de Bartolomeu dos Mártires roubado de igreja de Viana do Castelo

O relicário roubado, em metal dourado, “não tem grande valor comercial, mas o que continha no seu interior, a ossada de Frei Bartolomeu dos Mártires, é de valor incalculável".

A imagem danificada pertencia à antiga paróquia de Monserrate criada em 1621 e, entretanto, extinta em 1916

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa

O relicário com os restos mortais do beato Bartolomeu dos Mártires foi roubado na terça-feira da igreja de São Domingos, situada no centro de Viana do Castelo, disse esta quarta-feira à Lusa o pároco Vasco Gonçalves.

Contactado pela agência Lusa, o segundo comandante da PSP de Viana do Castelo, Raul Curva, afirmou que o alerta foi dado, na terça-feira, cerca das 16h30, sendo que o caso, por envolver uma peça de arte sacra, foi comunicado à Polícia Judiciária de Braga, que “tomou conta da investigação”.

Para o pároco da Igreja de São Domingos, o relicário roubado, em metal dourado, “não tem grande valor comercial, mas o que continha no seu interior, a ossada de Frei Bartolomeu dos Mártires, é de valor incalculável”.

É incalculável pela devoção profunda das gentes da ribeira e da cidade de Viana do Castelo. Frei Bartolomeu dos Mártires é uma referência. Foi como se nos roubassem um bocado de nós próprios”, lamentou.

Na segunda-feira, a imagem de Nossa Senhora das Dores, “muito antiga”, ficou “danificada” na sequência da tentativa de assalto à mesma igreja de São Domingos.

Em declarações esta quarta-feira à Lusa, o secretário do cartório da igreja de São Domingos, Ricardo Oliveira, adiantou que o roubo do relicário terá ocorrido entre as 15h00 e as 16h00.

“Se a tentativa de assalto de segunda-feira foi grave, este roubo é gravíssimo, não pelo valor da peça de metal dourado, mas pelo valor histórico e religioso que contém”, destacou.

Em 2016, o Papa Francisco autorizou a canonização do beato Bartolomeu dos Mártires sem a atribuição de um milagre, processo que ainda não culminou.

Bartolomeu dos Mártires foi declarado venerável, a 23 de março de 1845, pelo Papa Gregório XVI e beato, a 04 de novembro de 2001, por João Paulo II.

O beato nasceu em Lisboa, em maio de 1514, e entrou na Ordem Dominicana em 11 de novembro de 1528, tendo sido eleito arcebispo de Braga em 1559. Morreu em Viana do Castelo a 16 de julho de 1590.

Em Viana do Castelo ficou conhecido por ter mandado construir o Convento de Santa Cruz – depois designado de São Domingos, tal como a igreja contígua -, mas sobretudo pela sua dedicação aos pobres. Renunciou como arcebispo em 23 de fevereiro de 1582 e recolheu-se no convento que mandou construir em Viana do Castelo, onde morreu a 16 de julho de 1590.

Bartolomeu dos Mártires foi sempre apelidado pelo povo como o “arcebispo santo, pai dos pobres e dos enfermos” e insistiu, em vida, na deposição dos seus restos mortais naquele convento, numa altura em que a diocese local ainda não existia, sendo liderada por Braga.

Na tentativa de assalto de segunda-feira, a lança arrancada da imagem de Nossa Senhora das Dores para ser utilizada na abertura da caixa das esmolas e dos lampadários acabou partida, obrigando ao seu restauro.

A imagem danificada pertencia à antiga paróquia de Monserrate criada em 1621 e, entretanto, extinta em 1916.

Com a extinção daquela paróquia da cidade de Viana do Castelo, especificou, a imagem de Nossa Senhora das Dores passou a integrar o espólio da Igreja de São Domingos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)