Rádio Observador

Angola

Angola quer mais investimento privado e diversificação no comércio com a China — ministro do Comércio

Ministro do Comércio angolano afirmou que espera mais investimento privado chinês no seu país, reconhecendo excesso de intervenção estatal nas relações comerciais com a China.

Manuel Almeida/LUSA

O ministro do Comércio angolano afirmou este domingo que espera mais investimento privado chinês no seu país, visando alterar o paradigma de excesso de intervenção estatal que tem dominado as relações comerciais entre Angola e China.

“Viemos aqui demonstrar que, agora, é de facto ao setor privado a quem compete puxar a economia para a frente”, disse Joffre Van-Dúnem, à agência Lusa, em Changsha, no centro da China, onde participa na primeira Exposição Económica e Comercial China/África.

“O Estado vai apenas regular, mas neste novo paradigma não intervém diretamente no setor económico”, assegurou.

A cooperação da China com Angola, e com África em geral, tem sido dominada pelas relações entre Estados: bancos estatais chineses concedem empréstimos para construção de infraestruturas, a cargo de empresas estatais chinesas, servindo os recursos naturais dos respetivos países como colateral.

No caso de Angola tem sido o petróleo a suportar as linhas de crédito abertas pelo Governo chinês, através de vários dos seus bancos estatais de investimento.

Atualmente, a dívida de Angola à China ronda os 23.000 milhões de dólares (20.100 milhões de euros), tendo Pequim aprovado, no final de 2018, uma nova linha de financiamento de 2.000 milhões de dólares (1.750 milhões de euros). Joffre Van-Dúnem disse que Angola quer agora diversificar a balança comercial com a China.

“Tivemos muitos anos sem pensarmos no assunto, mas está na hora da viragem: Angola está agora, de facto, virada para a diversificação da economia”, disse. “Trouxemos alguns produtos, poucos, mas aqueles que temos capacidade para começar a ter excedente para exportar”.

Organizada em conjunto pelo ministério do Comércio chinês e o governo da província de Hunan, a Exposição que este fim de semana se realiza em Changsha foi lançada no âmbito do Fórum de Cooperação China-África, e visa estabelecer um “novo mecanismo” de cooperação comercial e económica entre a China e os países africanos.

Mais de 1.500 convidados estrangeiros e 5.000 convidados chineses participam no evento, que conta com 3.500 expositores, compradores e visitantes profissionais, segundo a organização.

O evento faz parte dos esforços de Pequim em promover a sua abertura ao comércio internacional, numa altura em que as potências ocidentais acusam as políticas comerciais de Pequim de violar os seus compromissos de abertura.

No stand de Angola – um dos maiores do certame – estiveram representadas 83 empresas do país, segundo a Câmara de Comércio China Angola, abrangendo pescas e mariscos, produtos típicos angolanos, como a fuba, ou do setor das bebidas, através do grupo Refriango.

Um grupo de música e dança, envergando trajes típicos de Angola, atraiu a curiosidade dos visitantes chineses. Lembrando que a China é um “parceiro estratégico” de Angola, o ministro do Comércio disse esperar que o “setor privado chinês possa, de facto, perante a vontade manifestada pelo Presidente chinês [Xi Jinping], realmente começar” a importar de Angola.

Os habitantes urbanos compõem já a maioria da população na China, que está a encetar um ambicioso plano para competir nos setores de alto valor agregado.

“Esta transformação obriga a que eles tenham que ir buscar a outros mercados, que consigam alimentar esta sua capacidade e esta sua determinação em desenvolver o país do ponto de vista económico e social”, afirmou Joffre Van-Dúnem.

O ministro disse ainda esperar que o “investimento privado chinês possa de facto ajudar a alavancar a nossa economia, a desenvolver infraestruturas e com isso criar condições”. “Estamos a tratar de desenvolver o ‘software’, mas Angola precisa do ‘hardware’ também: estradas, portos, caminhos de ferro”, assinalou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)