Rádio Observador

Celebridades

Sexo, crack e vídeo. Os excessos de Max Wright, o pai de Alf

A série só durou três anos e meio, mas Max Wright ficou para sempre conhecido como o pai de Alf. Nos últimos anos de vida foi notícia por escândalos com álcool, drogas e sexo.

NBC/NBC via Getty Images

Foi o pai de Alf, a coisa de outro mundo politicamente incorreta com um apetite voraz por gatos, de 1986 a 1990. Depois disso e antes de se retirar de vez do mundo das artes, Max Wright teve poucos papéis como ator — nenhum deles tão marcante como o de Willie Tanner –, mas nunca mais se livrou do assédio da imprensa, que lhe foi registando escândalos e infrações.

Agora, por ocasião da sua morte, aos 75 anos, vítima de cancro, os episódios menos edificantes da vida do americano estão a ser recuperados.

O mais chocante será o que o National Enquirer noticiou em 2012. Nessa altura, Max Wright era casado com Linda e que viria a morrer da mesma doença em 2017), com quem tinha dois filhos, já adultos, tinha sido diagnosticado com cancro.

“Estrela de Alf apanhada em casa de crack”, era o título do artigo, de duas páginas, que revelava uma série de fotografias, retiradas de um vídeo que nunca se chegou a saber se foi filmado com ou sem o consentimento do ator, em que Wright aparecia a fumar um cachimbo feito com uma lata de cerveja e a beijar outro homem.

Ao longo do texto — “As mais chocantes fotos de celebridades de sempre” era o ante-título — é entrevistado o realizador improvisado do filme, onde o pai de Alf apareceria a consumir drogas e a ter sexo com dois homens, alegadamente sem-abrigo. “A vida dele estava tão fora de controlo que não tinha medo de apanhar sida. O Max teve sexo sem proteção comigo e com pessoas sem-abrigo, e drogou-se com todos nós. Concordou em ser filmado com dois homossexuais que encontrámos na rua”, contou o homem, protegido pelo anonimato.

Na altura, Max Wright ainda disse que era tudo mentira. Tendo em conta o teor das imagens, ficou-se por isso mesmo.

Anos antes, primeiro em 2000, depois em 2003, o ator, natural de Detroit, cidade industrial do Michigan, já tinha sido notícia por conduzir sob o efeito de álcool. Se nessas ocasiões os escândalos não lhe ditaram o fim da carreira — em 2005 participou em Back to Norm, o telefilme que começava onde a série de 1999 acabou –, depois deste episódio Max Wright nunca mais apareceu em frente às câmaras.

Entretanto separado da mulher, aquele que ficará  para sempre conhecido como o pai de Alf mudou-se para o que tem sido descrito pela imprensa como um “modesto apartamento” em Hermosa Beach, na Califórnia. Nem por isso deixou de ser perseguido pelos tablóides: a última vez que foi notícia foi por ter sido fotografado, à porta de casa a despejar o lixo.  “Despenteado: De roupas largas e descontraídas, careca e enrugado, Max já não se parece com Willie Tanner”, escreveu o Daily Mail em 2015.

Quando as imagens foram captadas a série tinha acabado há um quarto de século e Max Wright estava prestes a completar 72 anos. Morreu na passada quarta-feira, dia 26 de junho, aos 75.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)